Senado chileno aprova lei de identidade de género, mas excluiu menores de 14 anos

Projeto será votado em breve na Câmara dos Deputados e posteriormente entregue ao presidente do país Sebastián Piñera, que dispõe de 30 dias para aprovar ou rejeitar

O Senado chileno aprovou na terça-feira a lei de identidade de género, que permite a mudança legal de nome e sexo, mas excluiu da iniciativa os menores de 14 anos.

O projeto será votado em breve na Câmara dos Deputados e, depois, enviado ao presidente, Sebastián Piñera, que terá um prazo de 30 dias para o aprovar ou rejeitar.

Os senadores aprovaram por 26 votos a favor e 14 contra a nova lei, que permite que quem tem a maioridade pode fazer a mudança legal de sexo com um procedimento simples no Registo Civil.

Adolescentes entre 14 e 18 anos devem apresentar o pedido num tribunal de família e ter a autorização de pelo menos um dos pais ou representantes legais.

A votação para incluir crianças menores de 14 anos na lei teve 22 votos a favor e 18 contra, mas não alcançou o quórum necessário para ser aprovado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.