Senado altera as regras para contornar boicote dos democratas às nomeações de Trump

Democratas faltaram a votação para não aprovarem escolhas de Trump para pastas do governo

A comissão das Finanças do Senado norte-americano alterou as suas regras de funcionamento para aprovar dois dos nomeados de Donald Trump para a nova administração, de forma a contornar o boicote dos democratas para adiar ou bloquear a aprovação dos ministros.

As regras dos comités de confirmação exigem que pelo menos um democrata esteja presente na sala para o painel do senado poder votar. Mas, na terça-feira, os democratas abandonaram a sala, impossibilitando a votação e adiando a confirmação das escolhas do presidente. Em causa estavam as nomeações dos secretários que ficarão com as pastas da Saúde e do Tesouro, Tom Price e Stephen Mnuchin, respetivamente.

"Ontem, ao invés de aceitarem algo que estava abaixo do que desejavam, os nossos colegas democratas escolheram acobardarem-se nos corredores e darem uma conferência de imprensa", disse o senador Orrin Hatch, que preside à comissão de Finanças, na terça-feira, segundo o Washington Post.

Esta quarta-feira, os democratas fizeram o mesmo: recusaram-se a aparecer para impedir ou adiar as votações de confirmação. Em causa, dizem, a necessidade de tempo para recolher mais informação sobre os nomeados, considerando existirem dúvidas sobre os seus antecedentes financeiros.

Contudo, e tendo em conta "as circunstâncias invulgares", como explicou Orrin Hatch, o presidente do comité, foi permitido aos republicanos decidirem, através do voto, se as normas do comité deveriam ser suspensas neste caso. Com as regras suspensas, os 14 republicanos da sala aprovaram a nomeação de Munchin e Price, sem a presença ou apoio de qualquer democrata.

"Eles recusaram-se a participar neste exercício por iniciativa própria", argumentou Hatch esta quarta-feira, segundo a CNN. "Não podem culpar ninguém senão eles próprios".

O presidente norte-americano usou a rede social Twitter para reagir ao boicote democrata.

"Quando é que os democratas nos dão o procurador-geral e o resto do gabinete! Deviam ter vergonha! Não admira que Washington não funcione!", escreveu Donald Trump no Twitter na terça-feira.

A nomeação do conservador Neil Gorsuch para juiz do Supremo Tribunal deverá aumentar a tensão no senado, com os democratas a avisarem de ante mão que vão tentar bloquear a aprovação do mesmo. Para isso, os democratas precisam de reunir 60 votos contra a nomeação de Gorsuch.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?