Sempre que a comitiva de El Chapo passa, a ponte de Brooklyn fecha

Para o julgamento do líder do cartel de Sinaloa até os jurados anónimos estão a ser escoltados pelas forças de segurança

Passados quase dois anos de ter sido extraditado para os Estados Unidos, aquele que é considerado o narcotraficante mais poderoso do mundo está finalmente a ser julgado. E o caminho da prisão federal de Manhattan até ao tribunal é feito rodeado por medidas de alta segurança: El Chapo é seguido por uma equipa SWAT, uma ambulância e até a ponte de Brooklyn encerra para que ele passe, segundo a CNN.

As medidas ultrapassam o próprio réu. Os cidadãos anónimos que são jurados no caso são também escoltados pelas forças de segurança americanas. E quem vai assistir ao julgamento tem de passar por uma máquina de raio X e um detetor de metais, não só para entrar no edifício do tribunal, como também para entrar na sala onde decorre a audiência.

Já no exterior do tribunal, estão agentes federais armados e com cães farejadores de bombas.

Joaquín El Chapo Guzmán é acusado de ter cometido 17 crimes, entre 1989 e 2014, relacionados com o cartel de Sinaloa, organização criminosa intercontinental que terá liderado. Guzmán ganhou um estatuto quase mítico no México por causa do seu poder e das fugas de prisões de alta segurança em 2001 (só foi capturado novamente em 2014) e em 2015 (capturado em 2016).

Ler mais

Exclusivos

Premium

CPLP

Do ciclone às dívidas ocultas: as quatro tragédias de Moçambique

Ciclone Idai, escândalo das dívidas ocultas, conflito com grupos armados no norte e reconciliação lenta e pouco suave entre a Frelimo (no poder) e a Renamo (maior partido da oposição) marcam a realidade de Moçambique, país da CPLP com 29,7 milhões de habitantes que tem eleições gerais marcadas para 15 de outubro.