Sem ajuda, 58 mil crianças podem morrer de fome na Somália

A seca e a guerra civil deixam perto de 350 mil crianças menores de cinco anos a sofrer de malnutrição aguda

Mais de 58.000 crianças podem morrer de fome na Somália se não receberem ajuda de emergência devido à enorme seca no país associada às consequências da guerra civil, alertou hoje as Nações Unidas.

"O nível de malnutrição, nomeadamente das crianças, é muito preocupante, com perto de 350.000 menores de cinco anos a sofrerem de malnutrição aguda", declarou o coordenador da ajuda humanitária da ONU na Somália, Peter de Clercq, citado num comunicado.

A situação faz lembrar a de há quatro anos, quando a combinação de uma seca de grande amplitude com a guerra civil provocou a morte devido à fome de mais de 250.000 pessoas.

Atualmente, cerca de 950.000 pessoas "lutam diariamente para se alimentarem" e 4,7 milhões de somalis, perto de 40% da população, necessitam de ajuda humanitária, segundo os dados recolhidos pela Unidade de Análise da Segurança Alimentar e da Nutrição da ONU e a Rede de Alerta Precoce da Fome. "Calculamos que 58.000 crianças arriscam a morte se não forem ajudadas", disse Clercq.

O fenómeno meteorológico El Niño é este ano mais intenso, tendo provocado no Corno de África inundações desastrosas para a agricultura no sul da Somália e uma enorme seca no norte.

A ONU pediu um financiamento de 885 milhões de dólares (792 milhões de euros) para enfrentar a crise que pode piorar nas regiões da Puntlândia e da Somalilândia.

A situação humanitária na vizinha Etiópia também é preocupante, segundo a ONU. Pelo menos 10,2 milhões de habitantes precisam de ajuda alimentar, número que poderá duplicar nos próximos meses se não forem tomadas medidas adequadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.