Seis mortos em ataque "terrorista" numa mesquita no Quebeque

Dois suspeitos do ataque já foram detidos. O primeiro-ministro canadiano condena "ataque cobarde"

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, condenou hoje o ataque perpetrado contra uma mesquita do Centro Cultural Islâmico da cidade do Quebeque, em que morreram pelo menos seis pessoas e oito ficaram feridas.

"Esta noite os canadianos lamentam os mortos num cobarde ataque numa mesquita da cidade do Quebeque. Os meus pensamentos estão com as vítimas e as suas famílias", escreveu Trudeau na sua conta de Twitter.

"Condenamos este ataque terrorista contra os muçulmanos num centro de oração e refúgio", indicou num comunicado, lembrando que "a diversidade é a nossa força e a tolerância religiosa é um valor que nós, enquanto canadianos, prezamos".

As testemunhas dizem que três homens encapuzados entraram na mesquita por volta das 19:15 de domingo (00:15 de hoje em Lisboa) e começaram a disparar. Mas a polícia acredita que os autores do ataque serão apenas dois, que já foram detidos. Segundo as autoridades, as vítimas tinham entre 35 e 70 anos. 39 pessoas saíram ilesas do ataque.

O tiroteio ocorreu depois de Trudeau dizer que o Canadá acolheria os refugiados impedidos de entrar nos Estados Unidos, depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter suspenso o programa de refugiados dos EUA, impedindo temporariamente a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana, alegando motivos de segurança nacional.

A mesquita foi alvo de atos de vandalismo e mensagens xenófobas nos últimos meses. Em junho, a cabeça de um porco foi deixada à porta da mesquita em pleno Ramadão (o mês sagrado dos muçulmanos).

"Um tiroteio. Na cidade do Quebeque. Não acredito", disse Mohammed Yangui, o presidente da mesquita, citado pelo jornal canadiano 'The Globe and Mail'. "Nunca fizémos nada para provocar ninguém e nunca cultivámos ódio contra ninguém", acrescentou.

O primeiro-ministro do Quebeque, Philippe Couillard, classificou de "terrorista" o ataque. Philippe Couillard escreveu na rede social Twitter que "como resultado deste ato terrorista, pedi que a bandeira na Assembleia Nacional (parlamento provincial) seja hasteada a meia-haste".

O Presidente francês, François Hollande, condenou "nos termos mais fortes possíveis" o "odioso ataque" na cidade canadiana do Quebeque. "É o espírito da paz e a abertura das pessoas do Quebeque que os terroristas querem atingir", disse Hollande.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.