Seis escolas evacuadas em Paris e 14 no Reino Unido após ameaças de bomba

Telefonemas idênticos deram o alerta em seis liceus de Paris. No Reino Unido, 14 escolas foram também evacuadas

Seis escolas secundárias de Paris foram evacuadas na manhã desta terça-feira, depois de os diretores terem recebido telefonemas idênticos garantindo que havia engenhos explosivos escondidos nos seis estabelecimentos de ensino.

O alerta terá sido recebido pouco antes das 11:00 em França, menos uma hora em Portugal. Segundo a France Info, tratam-se dos liceus Henri IV, Fénelon, Montaigne, Condorcet, Louis-le-Grand e Charlemagne.

A agência Reuters indica que as ameaças visam cinco liceus e cita o porta-voz do liceu Louis Le Grand, na área de Saint-Germain-des-Pres, que refere que os alunos ficaram na área exterior da escola a aguardar intervenção da polícia.

Citando fonte da polícia, a BFM TV adianta que, até ao momento, em cinco dos estabelecimentos de ensino não foi encontrado qualquer pacote suspeito. A ameaça foi levada a sério pelas autoridades parisienses, relata a imprensa local: foi ordenada a evacuação das escolas e para os locais deslocaram-se várias brigadas de minas e armadilhas. Agentes com cães treinados para detetar explosivos foram igualmente destacados para inspecionar as escolas.

O cenário repetiu-se no Reino Unido, onde foram evacuadas 14 escolas: seis no centro de Inglaterra, quatro em Londres e outras quatro na Cornualha. As autoridades consideraram as ameaças de bomba pouco credíveis mas, por precaução, retiraram os alunos dos edifícios.

Segundo o Telegraph, as ameaças foram entretanto reivindicadas por um grupo autodenominado 'Evacuators 2K16', através do Twitter. Numa conta que foi entretanto removida, os estudantes eram convidados a entrar em contacto se quisessem "sair da escola".

Ler mais

Exclusivos

Premium

25 de Abril

"Em Peniche, fechei a boca, nunca disse nada, levei muita pancada"

Esteve para ser entregue a privados, mas o governo voltou atrás e decidiu converter a fortaleza em Museu Nacional da Resistência e da Liberdade. Querem preservar a memória daqueles que por aqui passaram. Foram 2500, sobrevivem 50. Entre eles, José Pedro Soares, que nos guiou pelos corredores estreitos até à sua antiga cela.