Seis escolas evacuadas em Paris e 14 no Reino Unido após ameaças de bomba

Telefonemas idênticos deram o alerta em seis liceus de Paris. No Reino Unido, 14 escolas foram também evacuadas

Seis escolas secundárias de Paris foram evacuadas na manhã desta terça-feira, depois de os diretores terem recebido telefonemas idênticos garantindo que havia engenhos explosivos escondidos nos seis estabelecimentos de ensino.

O alerta terá sido recebido pouco antes das 11:00 em França, menos uma hora em Portugal. Segundo a France Info, tratam-se dos liceus Henri IV, Fénelon, Montaigne, Condorcet, Louis-le-Grand e Charlemagne.

A agência Reuters indica que as ameaças visam cinco liceus e cita o porta-voz do liceu Louis Le Grand, na área de Saint-Germain-des-Pres, que refere que os alunos ficaram na área exterior da escola a aguardar intervenção da polícia.

Citando fonte da polícia, a BFM TV adianta que, até ao momento, em cinco dos estabelecimentos de ensino não foi encontrado qualquer pacote suspeito. A ameaça foi levada a sério pelas autoridades parisienses, relata a imprensa local: foi ordenada a evacuação das escolas e para os locais deslocaram-se várias brigadas de minas e armadilhas. Agentes com cães treinados para detetar explosivos foram igualmente destacados para inspecionar as escolas.

O cenário repetiu-se no Reino Unido, onde foram evacuadas 14 escolas: seis no centro de Inglaterra, quatro em Londres e outras quatro na Cornualha. As autoridades consideraram as ameaças de bomba pouco credíveis mas, por precaução, retiraram os alunos dos edifícios.

Segundo o Telegraph, as ameaças foram entretanto reivindicadas por um grupo autodenominado 'Evacuators 2K16', através do Twitter. Numa conta que foi entretanto removida, os estudantes eram convidados a entrar em contacto se quisessem "sair da escola".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.