Seis escolas evacuadas em Paris e 14 no Reino Unido após ameaças de bomba

Telefonemas idênticos deram o alerta em seis liceus de Paris. No Reino Unido, 14 escolas foram também evacuadas

Seis escolas secundárias de Paris foram evacuadas na manhã desta terça-feira, depois de os diretores terem recebido telefonemas idênticos garantindo que havia engenhos explosivos escondidos nos seis estabelecimentos de ensino.

O alerta terá sido recebido pouco antes das 11:00 em França, menos uma hora em Portugal. Segundo a France Info, tratam-se dos liceus Henri IV, Fénelon, Montaigne, Condorcet, Louis-le-Grand e Charlemagne.

A agência Reuters indica que as ameaças visam cinco liceus e cita o porta-voz do liceu Louis Le Grand, na área de Saint-Germain-des-Pres, que refere que os alunos ficaram na área exterior da escola a aguardar intervenção da polícia.

Citando fonte da polícia, a BFM TV adianta que, até ao momento, em cinco dos estabelecimentos de ensino não foi encontrado qualquer pacote suspeito. A ameaça foi levada a sério pelas autoridades parisienses, relata a imprensa local: foi ordenada a evacuação das escolas e para os locais deslocaram-se várias brigadas de minas e armadilhas. Agentes com cães treinados para detetar explosivos foram igualmente destacados para inspecionar as escolas.

O cenário repetiu-se no Reino Unido, onde foram evacuadas 14 escolas: seis no centro de Inglaterra, quatro em Londres e outras quatro na Cornualha. As autoridades consideraram as ameaças de bomba pouco credíveis mas, por precaução, retiraram os alunos dos edifícios.

Segundo o Telegraph, as ameaças foram entretanto reivindicadas por um grupo autodenominado 'Evacuators 2K16', através do Twitter. Numa conta que foi entretanto removida, os estudantes eram convidados a entrar em contacto se quisessem "sair da escola".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.