Seis em cada 100 mulheres angolanas a viver em cidades admitem bater nos maridos

No total, 6% das mulheres que vivem em áreas urbanas admitiram ter cometido atos de violência física contra os maridos ou parceiros nos 12 meses

Em cada 100 mulheres angolanas que vivem nas cidades, seis admitem já ter batido nos maridos, sobretudo devido à embriaguez dos companheiros, segundo o Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS), realizado entre 2015 e 2016.

O estudo, realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pelo Ministério da Saúde angolano, com o apoio de várias instituições internacionais, além da assistência técnica do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), refere que "as mulheres cujos maridos se embriagam frequentemente" são as que mais cometem atos de violência física contra os companheiros (17%).

No total, 6% das mulheres que vivem em áreas urbanas admitiram ter cometido atos de violência física contra os maridos ou parceiros nos 12 meses anteriores ao inquérito, em comparação com 3% nas áreas rurais.

A tendência é também agravada em função do menor nível socioeconómico e de escolaridade.

Por outro lado, cerca de um terço (32%) das mulheres declararam, neste estudo, "terem sido vítimas de violência física, em algum momento desde os 15 anos de idade".

O estudo concluiu ainda que 8% das mulheres declararam ter sido vítimas de violência sexual em algum momento, mais frequente - atos registados nos 12 meses anteriores ao inquérito - nas províncias de Malanje (13%) e Lunda Norte (11%), mais de duas vezes do que a média nacional (5%).

Sete em cada dez mulheres que sofreram violência sexual dizem que esta foi praticada pelo parceiro atual (52%) ou parceiro anterior (17%), seguido do amigo ou conhecido (10%) e namorado atual ou anterior (8%).

A legislação angolana define como violência sexual qualquer conduta que obrigue a vítima a presenciar, manter ou participar numa relação sexual "por meio de violência, coação, ameaça ou colocação da pessoa em situação de inconsciência ou impossibilidade de resistir".

O IIMS refere que a experiência de violência sexual em Angola aumenta com a idade, já que 1% das mulheres foram violentadas sexualmente antes dos 10 anos de idade e 5% foram vítimas de violência sexual antes dos 22 anos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.