Segurança egípcia matou sete simpatizantes do EI que planeavam novos ataques

As armas, munições e uma coleção de publicações do EI foram encontradas no local,

As forças de segurança egípcias mataram sete simpatizantes do grupo radical Estado Islâmico (EI) que planeavam ataques contra os cristãos coptas, anunciaram hoje as autoridades, após um duplo e sangrento atentado 'jihadista' contra esta comunidade.

O Ministério do Interior indicou egípcio, em comunicado, que estes "elementos que partilham a ideologia do Daesh (acrónimo em árabe) se encontravam numa região montanhesa da província de Assiout (sul)" e que foram mortos após uma troca de tiros.

Apesar de não precisar a data dos confrontos, mas o anúncio acontece após dois ataques, domingo, contra uma igreja copta em Tanta e uma outra em Alexandria, no norte do país, dos quais resultaram 45 mortos e dezenas de feridos.

Os ataques foram reivindicados pelo Daech que ameaçou a comunidade copta com outros atentados.

Os sete suspeitos mortos estariam a "fabricar explosivos para cometerem ataques terroristas", afirmou o ministério.

Quando as forças de segurança se aproximaram do esconderijo, eles abriram fogo, provocando uma respostas destas forças

As armas, munições e uma coleção de publicações do EI foram encontradas no local, acrescentou a mesma fonte.

Dos sete suspeitos, três foram identificados. Apresentados como simpatizantes do EI, eram suspeitos de planear um ataque contra os coptas na região de Assiout e de Sohag (sul) e eram procurados pela segurança egípcia, segundo o ministério.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.