Segurança apertada e ansiedade na véspera de cimeira histórica Trump-Kim

Há cerca de 3000 repórteres, vindos de todo o mundo, em Singapura, à espera da mais histórica cimeira dos últimos anos. José Carlos Matias é o enviado especial DN/ TSF/ Plataforma Macau no local.

Ao longo do dia de hoje e da noite de amanhã poderá seguir os últimos acontecimentos, as cenas de bastidores e a visão portuguesa no local. Para já o ambiente é de grande expectativa, entre observadores e os jornalistas, como conta o José Carlos Matias no vídeo.

Nas ruas, a segurança é apertado nas zonas em torno dos hotéis de luxo onde estão alojadas as delegações, com constrangimentos ao trânsito no centro da cidade. Mais difícil é o acesso à ilha de Sentosa, localizada a sul da cidade de Singapura, onde amanhã vai ter lugar a cimeira entre Trump e Kim.

A cidade-estado foi esta manhã palco de uma intensa atividade diplomática com vários encontros de preparação da Cimeira entre o presidente norte-americano Donald Trump e o líder da Coreia do Norte Kim Jong-un. Diplomatas dos dois países têm estado reunidos, enquanto Trump foi ao encontro do anfitrião desta cimeira, o primeiro-ministro de Singapura Lee Hsien Loong, com quem Kim já tinha estado ontem, logo após aterrar em Singapura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.