Seehofer não aceita ser despedido por Merkel

O ministro do Interior alemão reúne-se hoje pela segunda vez com a chanceler, mas continua a dar sinais de quem não está disposto a ceder.

"Não vou ser despedido pela chanceler que só é chanceler graças a mim", afirmou Horst Seehofer ao Süddeutsche Zeitung. O ministro do Interior e líder da CSU (União Social-Cristã), partido irmão da CDU (União Democrata-Cristã) da Baviera, mantém o braço-de-ferro com a chefe do governo alemão, Angela Merkel.


Ontem terá posto os cargos a que preside à disposição, depois de ter acusado Angela Merkel de não ter cumprido as expectativas da CSU sobre a política de controlo de fronteiras no Conselho Europeu.

Hoje à tarde reuniu-se uma primeira vez com Angela Merkel e o presidente do Parlamento, Wolfgang Schäuble, antes de um encontro entre os principais dirigentes dos dois partidos.

O SPD, parceiro da grande coligação, pediu uma sessão parlamentar com caráter de urgência para terça-feira de manhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.