Sede de campanha de líder da oposição alvo de bombas de gás lacrimogéneo

"Urgente! Fomos atacados com bombas dentro do edifício. Neste momento os bombeiros atuam", denunciou Capriles Radonski na sua conta no Twitter.

A oposição venezuelana denunciou no sábado que o edifício onde funciona a sede de campanha do ex-candidato presidencial Henrique Capriles foi atacado com bombas de gás lacrimogéneo e tiros de borracha, quando o opositor se encontrava no interior.

O ataque terá provocado, segundo a equipa de trabalho do líder opositor, um incêndio que obrigou à intervenção dos bombeiros.

O ataque ao edifício Vivel, em Bello Monte (leste de Caracas), segundo denunciaram no Twitter, foi realizado por funcionários da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) e da Polícia Nacional Bolivariana.

"Estamos a salvo, graças a Deus não há vítimas. Todos saímos a tempo. Agradecemos publicamente aos bombeiros, a todos os que ajudaram (...) Qual é a ordem de (Nicolás) Maduro? Matar-nos? Se algo se passar já sabem quem é o responsável e sabem o que têm de fazer", frisou.

O ataque foi condenado pelo secretário-geral da Organização de Estados Americanos, Luís Almagro.

"Condenamos energicamente o atentado contra a sede de Henrique Capriles e solidarizamo-nos com os que sofrem repressão por reivindicar os seus direitos", escreveu Almagro na sua conta do Twitter.

A Polícia Nacional Bolivariana reprimiu, pela terceira vez numa semana, com jactos de água e gás lacrimogéneo, milhares de opositores que marchavam em Caracas, em protesto contra o assassinato de um jovem de 19 anos por um funcionário judicial.

O ataque policial aos manifestantes, que se repetiu em várias oportunidades, teve lugar na Avenida Libertador, na zona de La Campiña, nas proximidades das instalações da agência Lusa.

Os opositores pretendiam chegar até à Defensoria do Povo (procuradoria popular) para entregar um documento contra duas sentenças recentes do Supremo Tribunal de Justiça, que limitavam a imunidade parlamentar e assumiam as funções do parlamento, e também pela realização de eleições regionais no país, que estavam previstas para o passado mês de dezembro.

"Estávamos a marchar tranquilamente e subitamente os tanques (da polícia) avançaram contra os manifestantes, com jactos de água 'picante' e houve uma chuva de gases lacrimogéneos. Muitos tivemos que correr para nos protegermos", explicou um estudante luso-descendente à agência Lusa.

Marcos Teixeira, de 22 anos, refugiu-se dos gases e da água num pequeno restaurante de uma das ruas paralelas, que foi "invadido" por dezenas de manifestantes, que tentavam manter-se juntos para impedir que fossem detidos pela polícia, enquanto dois helicópteros das forças de segurança sobrevoavam a zona.

Enquanto os manifestantes corriam, algumas pessoas abriram as portas

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.