Secretas britânicas permitiram tortura de suspeitos

Os serviços secretos do Reino Unido permitiram a tortura e rapto de suspeitos de terrorismo após os atentados de 11 de setembro de 2001, segundo dois relatórios divulgados esta quinta-feira pela imprensa britânica.

Os documentos, citados pela BBC e pelo Guardian, contêm as acusações mais graves às secretas do Reino Unido, afirmando que agentes britânicos estiveram envolvidos em centenas de casos de tortura e rapto de suspeitos.

"Encontrámos 13 incidentes em que funcionários britânicos testemunharam em primeira mão um detido a ser maltratado por terceiros, 25 em que detidos disseram a funcionários britânicos que foram torturados e 128 incidentes em que agentes dos serviços secretos foram informados por serviços estrangeiros de casos de maus-tratos", afirma-se num dos relatórios, citado pelo Guardian.

Em 232 casos, o Reino Unido continuou a transmitir perguntas ou informações a outros serviços, apesar de saber ou suspeitar de tortura, e 198 casos em que receberam informações de serviços estrangeiros obtidas de detidos que sabiam ter sido torturados.

"Não há qualquer dúvida de que os EUA e outros torturavam detidos, como não há qualquer dúvida de que os serviços de informações [britânicos] sabiam disso num estádio inicial. O mesmo em relação aos raptos", afirma-se no relatório.

Os relatórios, da comissão parlamentar de segurança e serviços de informações, revelam que embora não haja indícios de maus tratos infligidos diretamente por agentes do MI5 (serviços de informações internas) e do MI6 (serviços de informações externas) sabiam desde "um estádio inicial" da tortura de suspeitos pelos Estados Unidos e outros.

A comissão encontrou ainda três casos em que o MI5 ou o MI6 ofereceu uma contribuição financeira a terceiros para raptarem e transportarem ilegalmente um suspeito ('rendition'), 28 casos em que uma ou outra agência sugeriu, planeou ou concordou com operações de rapto e transporte ilegal propostas por terceiros e 22 casos em que forneceram informações para o planeamento de operações de rapto e transporte ilegal.

As sedes do MI5 e MI6 tinham conhecimento dos relatos de tortura de detidos pelos Estados Unidos, só em 2002 souberam de 38 casos, mas não agiram em relação a eles.

O presidente da comissão, Dominic Grieve, explicou que os deputados decidiram arquivar a investigação depois de o Governo ter recusado acesso a "responsáveis que estavam no ativo à altura" dos factos.

Grieve acrescentou que os relatórios foram agora divulgados por considerar que a informação recolhida deve ser do domínio público.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.