Secretário-geral da ONU saúda decisão da Malásia de abolir a pena de morte

A pena de mostra estava prevista no país para crimes como homicídio, sequestro, posse de armas e tráfico de drogas

O secretário-geral da ONU, António Guterres, saudou hoje a decisão do Governo da Malásia em abolir a pena de morte e instou outros países a seguirem o "exemplo encorajador".

A decisão da Malásia é um "grande passo em frente" mas a abolição da pena de morte deve ser tomada como "universal", afirmou o secretário-geral da ONU, num comunicado divulgado hoje em Nova Iorque.

"Aproveito esta oportunidade para chamar todos os países que mantêm [a pena capital] a seguir o exemplo encorajador da Malásia", sublinhou.

Na quinta-feira, o Governo malaio afirmou que ia abolir a pena de morte no país, onde a pena capital, por enforcamento, é prevista na legislação para uma série de crimes, nomeadamente homicídio, sequestro, posse de armas e tráfico de drogas.

Também o Supremo Tribunal do Estado norte-americano de Washington decidiu, na quinta-feira, que a pena de morte, tal como tem sido adotada, viola a sua Constituição, pelo que deixará de ser aplicada.

Numa declaração escrita, o governador Jay Inslee, classificou a decisão de Washington como "um momento extremamente importante na busca de uma aplicação justa e igualitária da justiça".

"O Tribunal deixa perfeitamente claro que a pena capital no nosso Estado tem sido imposta de 'forma arbitrária e racista', é 'aplicada de modo desigual' e não serve qualquer objetivo de justiça criminal", acrescentou Inslee.

Conforme os dados da Amnistia Internacional (AI), foram registadas 993 execuções em 23 países, no ano de 2017, uma redução de 4% em relação a 2016, e 39% em relação a 2015, um ano recorde que registou 1.634 execuções.

Nestes dados não está incluída a China, onde a AI estima que há "milhares" de execuções a cada ano, mas as estatísticas sobre o assunto ainda são um segredo de Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.