Secretário da Agricultura foi o "sobrevivente designado"

Sonny Perdue assistiu ao discurso do Estado da União à distância, para o caso de um eventual ataque contra o Capitólio

A tradição é antiga: todos os anos um membro da Administração é escolhido como "sobrevivente designado" durante o discurso do Estado da União. Enquanto todo o governo americano se junta aos 435 congressistas, cem senadores e aos nove juízes do Supremo Tribunal para assistir ao presidente a fazer o balanço do ano anterior e a lançar o próximo ano, um dos seus membros é isolado num local seguro. Este ano a honra calhou ao secretário da Agricultura, Sonny Perdue.

Depois de ganhar força nos anos da Guerra Fria, quando um ataque nuclear não era uma coisa assim tão impensável, a tradição do "sobrevivente designado" mantém-se até hoje.

Em 2017 foi o secretário dos Assuntos dos Veteranos, David Shulkin. A escolha recai sempre sobre alguém que possa assumir a presidência em caso de tragédia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.