Se os republicanos perderem, haverá violência, avisa Trump

Num jantar com líderes evangélicos, Presidente americano deixa alerta por causa de resultados das eleições de novembro. "Eles vão acabar com tudo imediatamente", disse dos democratas

O Presidente americano, Donald Trump, deixou um forte aviso aos líderes evangélicos, com quem jantou na segunda-feira, de que os resultados das eleições intercalares do seu mandato são cruciais para prosseguir a agenda conservadora do atual governo dos EUA.

Segundo uma notícia do jornal New York Times - que teve acesso à gravação em áudio da intervenção de Trump, feita por um participante no jantar -, os democratas "derrubarão tudo o que fizemos e fá-lo-ão de forma rápida e violenta", se os republicanos perderem o controlo do Congresso nas eleições a meio do mandato.

Trump carregou nas tintas, falando ao grupo na sala de jantares oficiais da Casa Branca. "Eles vão acabar com tudo imediatamente. E violentamente Há violência", disse. "Quando vocês olham para os "antifa" [antifascistas]", acrescentou, referindo-se a grupos militantes de esquerda, "quando olham para alguns desses grupos, eles são pessoas violentas".

Num momento em que o Chefe do Estado americano está acossado pelas investigações à interferência russa na sua campanha, Trump tocou a reunir aqueles que constituem uma forte base eleitoral, pedindo aos líderes religiosos que usem o poder do púlpito para garantir que "todo o vosso povo vote" em novembro, referindo-se aos pastores evangélicos, informou o New York Times, citado pelo jornal britânico The Guardian . "Vocês estão a uma eleição de perder tudo o que têm", apontou Trump.

Um porta-voz da Casa Branca, Hogan Gidley, recusou-se a explicar o que o Presidente quis dizer com esta intervenção.

Segundo o New York Times, este alerta contundente - que foi endereçado a cerca de 100 dos mais fervorosos adeptos do presidente na comunidade evangélica, como os descreve o jornal americano - é o mais recente exemplo das tentativas de Trump em usar o espetro da violência pelos seus opositores políticos e atiçar as chamas das divisões culturais no país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.