"Se alguém procura um bom advogado, não contrate Michael Cohen". Trump reage

O presidente Trump reagiu no Twitter ao acordo que o seu advogado chegou com o procurador-especial Robert Mueller, assim como à condenação do seu ex-diretor de campanha, Paul Manafort.

O presidente norte-americano, Donald Trump, quebrou o silêncio em relação às duas decisões judiciais que envolvem seus antigos aliados, criticando o ex-advogado Michael Cohen que chegou a acordo com o procurador-especial, Robert Mueller, e saindo em defesa do antigo diretor de campanha, Paul Manafort, que foi condenado por um tribunal da Virgínia.

"Se alguém está à procura de um bom advogado, sugiro que não contrate os serviços de Michael Cohen!", escreveu o presidente numa primeira mensagem no Twitter.

Menos de uma hora depois, Trump voltou ao ataque: "Michael Cohen declarou-se culpado de dois crimse de violação da lei do financiamento de campanhas que não são crime. O presidente Obama teve uma grande violação da lei do financiamento de campanhas e foi facilmente resolvido." A campanha do ex-presidente democrata pagou uma multa de 375 mil dólares.

O advogado de Trump admitiu ser culpado de vários crimes de evasão fiscal, mas também ter violado a lei eleitoral na campanha para as presidenciais de 2016 e ter pago a uma ex-coelhinha da Playboy que afirmava ter tido um caso com Trump para a silenciar. Isto a pedido do "candidato" para influenciar o resultado.

Em defesa de Manafort

Ao contrário de Cohen, o ex-diretor de campanha de Trump, Paul Manafort, não aceitou qualquer acordo com o procurador-especial e acabou condenado por oito crimes fiscais.

"Sinto muito por Paul Manafort e a sua família maravilhosa. A 'justiça' pegou um caso com 12 anos, entre outras coisas, aplicou-lhe uma tremenda pressão e, ao contrário de Michael Cohen, ele recusou 'quebrar' - inventar histórias para conseguir um 'acordo'. Muito respeito por um homem corajoso", escreveu Trump.

Uma mensagem que deverá reacender o debate sobre um eventual perdão de Trump a Manafort.

E voltou a atacar Mueller: "Um grande número de acusações, dez, nem conseguiram ser decididas no caso de Paul Manafort. Caça às bruxas!"

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.