"Se alguém procura um bom advogado, não contrate Michael Cohen". Trump reage

O presidente Trump reagiu no Twitter ao acordo que o seu advogado chegou com o procurador-especial Robert Mueller, assim como à condenação do seu ex-diretor de campanha, Paul Manafort.

O presidente norte-americano, Donald Trump, quebrou o silêncio em relação às duas decisões judiciais que envolvem seus antigos aliados, criticando o ex-advogado Michael Cohen que chegou a acordo com o procurador-especial, Robert Mueller, e saindo em defesa do antigo diretor de campanha, Paul Manafort, que foi condenado por um tribunal da Virgínia.

"Se alguém está à procura de um bom advogado, sugiro que não contrate os serviços de Michael Cohen!", escreveu o presidente numa primeira mensagem no Twitter.

Menos de uma hora depois, Trump voltou ao ataque: "Michael Cohen declarou-se culpado de dois crimse de violação da lei do financiamento de campanhas que não são crime. O presidente Obama teve uma grande violação da lei do financiamento de campanhas e foi facilmente resolvido." A campanha do ex-presidente democrata pagou uma multa de 375 mil dólares.

O advogado de Trump admitiu ser culpado de vários crimes de evasão fiscal, mas também ter violado a lei eleitoral na campanha para as presidenciais de 2016 e ter pago a uma ex-coelhinha da Playboy que afirmava ter tido um caso com Trump para a silenciar. Isto a pedido do "candidato" para influenciar o resultado.

Em defesa de Manafort

Ao contrário de Cohen, o ex-diretor de campanha de Trump, Paul Manafort, não aceitou qualquer acordo com o procurador-especial e acabou condenado por oito crimes fiscais.

"Sinto muito por Paul Manafort e a sua família maravilhosa. A 'justiça' pegou um caso com 12 anos, entre outras coisas, aplicou-lhe uma tremenda pressão e, ao contrário de Michael Cohen, ele recusou 'quebrar' - inventar histórias para conseguir um 'acordo'. Muito respeito por um homem corajoso", escreveu Trump.

Uma mensagem que deverá reacender o debate sobre um eventual perdão de Trump a Manafort.

E voltou a atacar Mueller: "Um grande número de acusações, dez, nem conseguiram ser decididas no caso de Paul Manafort. Caça às bruxas!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.