Schulz lembra Soares ao anunciar candidatos à presidência do Parlamento Europeu

Como nenhum grupo político tem maioria absoluta dos 751 eurodeputados, desfecho da eleição do sucessor de Martin Schulz, hoje, em Estrasburgo, não é garantido a 100%

Martin Schulz anunciou ontem formalmente quem são os candidatos à sua sucessão, hoje submetidos a votação: três italianos, dois belgas, uma britânica, um romeno. O presidente cessante do Parlamento Europeu (PE) não se limitou, porém, a fazer só isso. No dia em que a entrevista de Donald Trump, presidente eleito dos EUA, gerou ondas de choque na UE (ver mais noticiário nas págs. 24 e 25), o social-democrata alemão fez questão de homenagear o ex-presidente português Mário Soares, que morreu no dia 7. Não apenas porque os dois eram amigos ou porque Soares foi eurodeputado, mas também porque, disse, ele "lutou contra o autoritarismo e era um democrata convicto". E sublinhou: "É nossa obrigação e tarefa herdar o seu legado político e defendê-lo."

A seguir às declarações de Schulz os eurodeputados guardaram um minuto de silêncio em memória do ex-chefe de governo e de Estado de Portugal. Eurodeputado no período entre 1999 e 2004, Soares presidiu à delegação para as relações com Israel, lembrou Schulz, que descreveu o português como "um símbolo da luta pela democracia não só para os portugueses mas para todos na Europa. Foi o catalisador da adesão de Portugal às Comunidades Europeias [algo que se deu a 1 de janeiro de 1986]". Soares tentou, em vão, chegar a ser presidente do PE em 1999, mas foi ultrapassado por Nicole Fontaine, a francesa a quem acusou de ter um discurso de "dona de casa".

Fontaine, hoje com 75 anos, é uma das duas únicas mulheres que, desde 1979, ano das primeiras eleições para o PE, exerceram o cargo de presidentes da casa que hoje representa 500 milhões de habitantes da UE. A outra foi Simone Veil, também francesa, hoje em dia com 89 anos. Na lista de candidatos ontem apresentada em Estrasburgo por Schulz há três mulheres mas na verdade nenhuma tem reais hipóteses de chegar ao cargo. Eleonora Forenza, italiana, é candidata pelo grupo político GUE/NGL (a que pertencem os eurodeputados do Bloco de Esquerda e PCP). Jean Lambert, britânica, é candidata pelo grupo dos Verdes. Helga Stevens, belga, é candidata dos Conservadores e Reformistas.

Os dois principais candidatos são também italianos. Antonio Tajani concorre pelo PPE, grupo que integra os eurodeputados do PSD e do Partido da Terra. Gianni Pitella candidata-se pelo S&D, a que pertencem os eleitos do PS. O terceiro candidato mais forte é o belga Guy Verhofstadt, líder da aliança dos liberais ALDE, a que pertence o eurodeputado do Partido Democrático Republicano António Marinho e Pinto (Portugal tem 21 eurodeputados). Há ainda um sétimo candidato à presidência do PE, o romeno Laurentiu Rebega, pelo grupo político da Europa das Nações da Liberdade, presidido pela líder da extrema-direita francesa Marine Le Pen.

Depois de ter sido um socialista a ocupar a presidência da eurocâmara durante metade do mandato (os últimos dois anos e meio), caberia agora ao candidato do PPE ocupar a segunda metade. Isto segundo um acordo de cavalheiros que existe há anos e no qual os dois maiores grupos políticos aceitaram partilhar o cargo. Desta vez, os socialistas decidiram não seguir o acordo e como nenhum grupo tem maioria absoluta dos 751 eurodeputados a votação de hoje poderá ter de ir a várias voltas. Tudo depende das negociações de bastidores que têm vindo a decorrer. Além do presidente do PE serão também eleitos 14 vice-presidentes, cinco questores e os membros das 22 comissões permanentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.