Príncipe saudita libertado após três meses de detenção no hotel Ritz-Carlton

O hotel de luxo estava fechado ao público desde novembro, quando cerca de 350 pessoas foram ali detidas por suspeitas de corrupção, incluindo empresários e ministros

As autoridades sauditas libertaram hoje o príncipe Al-Walid ben Talal, quase três meses após a sua prisão, na sequência de uma vasta investigação anticorrupção, avançou uma fonte próxima do milionário à agência France Presse (AFP).

"Ele é livre", disse a mesma fonte, que pediu o anonimato.

O príncipe, de 62 anos, estava detido desde o passado dia 04 de novembro no hotel Ritz-Carlton, em Riade, juntamente com cerca de 350 suspeitos, entre os quais empresários e ministros.

Contactado pela AFP, o Ministério da Informação da Arábia Saudita não quis comentar a libertação de Al-Walid ben Talal.

As detenções ocorreram após a criação de uma comissão anticorrupção presidida pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, o novo homem forte do país.

Além do príncipe, foram libertadas várias personalidades nas últimas horas, tendo as autoridades indicado que a maioria aceitou um acordo financeiro em troca da sua libertação.

Entre os detidos encontravam-se dois dos filhos do falecido rei Abdullah, um dos quais, o príncipe Miteb, que chefiava a Guarda Nacional.

No âmbito da investigação, cerca de 1.700 contas bancárias pertencentes aos detidos foram congeladas.

As autoridades admitiram ter encerrado contas, mas recusaram dizer quantas, limitando-se a assegurar que apenas foram visadas contas pessoais

Fechado ao público desde as detenções em novembro, o Ritz-Carlton deverá reabrir em breve, refere a AFP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.