Santos vai doar dinheiro do Nobel da Paz às vítimas do conflito

O Presidente colombiano anunciou que vai doar os oito milhões de coroas suecas (847 mil euros) que vai receber como parte do prémio Nobel da Paz.

"Vamos doar oito milhões de coroas suecas para que as vítimas sejam compensadas", disse numa cerimónia religiosa na localidade de Bojayá, noroeste do país, e cenário de um dos mais graves ataques da guerrilha das FARC, com um balanço de dezenas de mortos.

O Comité Nobel norueguês anunciou na sexta-feira que o prémio constitui um claro apoio à decisão de Santos de convidar todas as partes a participar num amplo diálogo nacional para que o processo de paz entre Governo e FARC não esmoreça, após o "não" se ter imposto no plebiscito.

O prémio que Santos recebe em 10 de dezembro em Oslo consiste numa medalha de ouro, num diploma e num cheque de oito milhões de coroas suecas.

A cerimónia religiosa, o primeiro ato público com a presença do Presidente após o anúncio do Nobel, decorreu na igreja de Bojayá com a participação de vários sobreviventes do ataque.

A 2 de maio de 2002 um comando das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) lançou uma bomba de gás contra uma igreja dessa povoação onde também se encontravam locais, que se protegiam de um confronto entre a guerrilha e um grupo paramilitar de extrema-direita, provocando 79 mortos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.