Santos vai doar dinheiro do Nobel da Paz às vítimas do conflito

O Presidente colombiano anunciou que vai doar os oito milhões de coroas suecas (847 mil euros) que vai receber como parte do prémio Nobel da Paz.

"Vamos doar oito milhões de coroas suecas para que as vítimas sejam compensadas", disse numa cerimónia religiosa na localidade de Bojayá, noroeste do país, e cenário de um dos mais graves ataques da guerrilha das FARC, com um balanço de dezenas de mortos.

O Comité Nobel norueguês anunciou na sexta-feira que o prémio constitui um claro apoio à decisão de Santos de convidar todas as partes a participar num amplo diálogo nacional para que o processo de paz entre Governo e FARC não esmoreça, após o "não" se ter imposto no plebiscito.

O prémio que Santos recebe em 10 de dezembro em Oslo consiste numa medalha de ouro, num diploma e num cheque de oito milhões de coroas suecas.

A cerimónia religiosa, o primeiro ato público com a presença do Presidente após o anúncio do Nobel, decorreu na igreja de Bojayá com a participação de vários sobreviventes do ataque.

A 2 de maio de 2002 um comando das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) lançou uma bomba de gás contra uma igreja dessa povoação onde também se encontravam locais, que se protegiam de um confronto entre a guerrilha e um grupo paramilitar de extrema-direita, provocando 79 mortos.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.