Santos diz que FARC deixarão de existir como grupo armado "em 150 dias"

Presidente colombiano e líder da guerrilha assinaram novo acordo de paz, em Bogotá

O Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, assegurou hoje que a desmobilização e entrega das armas da guerrilha das FARC deverão iniciar-se na próxima semana, após a ratificação pelo Congresso do novo acordo de paz.

"Espero que, segundo o procedimento estabelecido, a legitimação [do novo acordo pelo Congresso] seja aprovada durante a próxima semana. Esse será o dia D", disse Santos no discurso pronunciado no Teatro Colón, em Bogotá, onde assinou o acordo com o chefe máximo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Rodrigo Londoño, aliás "Timochenko".

O chefe de Estado acrescentou que, "em 150 dias, em apenas 150, todas as armas das FARC estarão nas mãos das Nações Unidas", pelo que "as FARC, como grupo armado, terão deixado de existir", precisou.

Na cerimónia de assinatura, Santos indicou que "os mortos, os desaparecidos, os feridos, as vítimas e suas famílias sofreram este terrível confronto", que levaram o país a ficar "preso a este labirinto de violência".

Apesar do "elevado e doloroso custo do conflito" entre as partes, "hoje assinámos, aqui neste cenário histórico, perante o país e o mundo, um novo acordo de paz com as FARC. Em definitivo, o acordo do Teatro Colón", assegurou.

Para a concretização desta iniciativa, o chefe de Estado informou que convocará todos os partidos políticos para que ajudem na concretização do acordo definitivo.

"Convocarei todos os partidos, todos os setores da sociedade para que participem, contribuam, e consigamos assim um grande acordo nacional para a implementação da paz", disse.

O líder das FARC sublinhou por sua vez que nada deve ficar fora do acordo de paz, que "implicou debates profundos com todas as vozes da sociedade. Apenas pomos fim à guerra para confrontar civilizadamente as contradições".

O ex-chefe guerrilheiro declarou que o povo da Colômbia está "farto de violência" e "intolerância", assim como de "estigmas e promessas", pelo que "exige mudanças profundas".

Nesse sentido, pediu que "a palavra seja a única arma dos colombianos" e reiterou que o novo acordo de paz que substituiu o assinado em 26 de setembro e rejeitado no plebiscito de 2 de outubro inclua as exigências dos que votaram "não" nessa consulta.

"Para alcançar a assinatura deste acordo definitivo os colombianos viveram mais de sete décadas de violência, meio século de guerra aberta, 33 anos de processos de diálogos, um conjunto de conversações [de paz] em Havana, o desencanto de 2 de outubro passado e o mais histórico esforço para conseguir o consenso maioritário da nação", acrescentou.

"Timochenko" também pediu que o acordo de paz seja aplicado com rapidez e disse que, na sua opinião, "a primeira exigência nacional é que se ponha fim ao uso das armas na política", mas que também "seja garantido o direito à divergência, a fazer oposição".

"Reclamamos a sua implementação rápida e eficaz, para iniciar a construção da convivência democrática, a paz e a justiça social no nosso país", sugeriu.

A rápida cerimónia de hoje revelou-se muito mais modesta que a ocorrida em setembro, quando os dois homens assinaram um anterior acordo em Cartagena das Índias (norte) perante uma audiência de líderes estrangeiros e do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

O novo acordo inclui 50 alterações destinadas a mitigar as críticas dos opositores a esta iniciativa, liderados pelo ainda poderoso ex-presidente Álvaro Uribe. Entre as novas medidas, inclui-se a proibição de magistrados estrangeiros julgarem os crimes atribuídos às FARC ou ao governo colombiano, ou um compromisso da guerrilha para a indemnização das suas vítimas.

No entanto, as FARC não aceitaram a principal exigência da oposição, que pedia penas de prisão para os líderes rebeldes acusados de crimes e estritas limitações na sua futura participação na vida política.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.