Santos diz que FARC deixarão de existir como grupo armado "em 150 dias"

Presidente colombiano e líder da guerrilha assinaram novo acordo de paz, em Bogotá

O Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, assegurou hoje que a desmobilização e entrega das armas da guerrilha das FARC deverão iniciar-se na próxima semana, após a ratificação pelo Congresso do novo acordo de paz.

"Espero que, segundo o procedimento estabelecido, a legitimação [do novo acordo pelo Congresso] seja aprovada durante a próxima semana. Esse será o dia D", disse Santos no discurso pronunciado no Teatro Colón, em Bogotá, onde assinou o acordo com o chefe máximo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Rodrigo Londoño, aliás "Timochenko".

O chefe de Estado acrescentou que, "em 150 dias, em apenas 150, todas as armas das FARC estarão nas mãos das Nações Unidas", pelo que "as FARC, como grupo armado, terão deixado de existir", precisou.

Na cerimónia de assinatura, Santos indicou que "os mortos, os desaparecidos, os feridos, as vítimas e suas famílias sofreram este terrível confronto", que levaram o país a ficar "preso a este labirinto de violência".

Apesar do "elevado e doloroso custo do conflito" entre as partes, "hoje assinámos, aqui neste cenário histórico, perante o país e o mundo, um novo acordo de paz com as FARC. Em definitivo, o acordo do Teatro Colón", assegurou.

Para a concretização desta iniciativa, o chefe de Estado informou que convocará todos os partidos políticos para que ajudem na concretização do acordo definitivo.

"Convocarei todos os partidos, todos os setores da sociedade para que participem, contribuam, e consigamos assim um grande acordo nacional para a implementação da paz", disse.

O líder das FARC sublinhou por sua vez que nada deve ficar fora do acordo de paz, que "implicou debates profundos com todas as vozes da sociedade. Apenas pomos fim à guerra para confrontar civilizadamente as contradições".

O ex-chefe guerrilheiro declarou que o povo da Colômbia está "farto de violência" e "intolerância", assim como de "estigmas e promessas", pelo que "exige mudanças profundas".

Nesse sentido, pediu que "a palavra seja a única arma dos colombianos" e reiterou que o novo acordo de paz que substituiu o assinado em 26 de setembro e rejeitado no plebiscito de 2 de outubro inclua as exigências dos que votaram "não" nessa consulta.

"Para alcançar a assinatura deste acordo definitivo os colombianos viveram mais de sete décadas de violência, meio século de guerra aberta, 33 anos de processos de diálogos, um conjunto de conversações [de paz] em Havana, o desencanto de 2 de outubro passado e o mais histórico esforço para conseguir o consenso maioritário da nação", acrescentou.

"Timochenko" também pediu que o acordo de paz seja aplicado com rapidez e disse que, na sua opinião, "a primeira exigência nacional é que se ponha fim ao uso das armas na política", mas que também "seja garantido o direito à divergência, a fazer oposição".

"Reclamamos a sua implementação rápida e eficaz, para iniciar a construção da convivência democrática, a paz e a justiça social no nosso país", sugeriu.

A rápida cerimónia de hoje revelou-se muito mais modesta que a ocorrida em setembro, quando os dois homens assinaram um anterior acordo em Cartagena das Índias (norte) perante uma audiência de líderes estrangeiros e do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

O novo acordo inclui 50 alterações destinadas a mitigar as críticas dos opositores a esta iniciativa, liderados pelo ainda poderoso ex-presidente Álvaro Uribe. Entre as novas medidas, inclui-se a proibição de magistrados estrangeiros julgarem os crimes atribuídos às FARC ou ao governo colombiano, ou um compromisso da guerrilha para a indemnização das suas vítimas.

No entanto, as FARC não aceitaram a principal exigência da oposição, que pedia penas de prisão para os líderes rebeldes acusados de crimes e estritas limitações na sua futura participação na vida política.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.