"Sánchez escolheu um governo de vitrina para fazer brilhar a mercadoria"

O jornalista José Luis Roig explica que moção de censura que derrubou Rajoy deixou o Ciudadanos também fora-de-jogo.

Com mais de trinta anos de experiência no jornalismo escrito, na rádio e na televisão, José Luís Roig é um dos rostos habituais nos debates de análise político em Espanha. Em entrevista ao DN, analisa a equipa de Pedro Sánchez e os primeiros movimentos do novo presidente do governo espanhol.

Na primeira semana do novo governo espanhol caiu um ministro. Sánchez escolheu de forma apressada a equipa com uma figura muito mediática?

Notou-se que houve uma certa precipitação na eleição do ministro de Cultura e Desporto. Pedro Sánchez gabou-se de ter já pensado numa equipa e neste caso parecia a cereja em cima do bolo. E isto confirma-se com a pessoa que vai substituí-lo. José Guirao é totalmente o oposto do antecessor. Um técnico, com muita experiência na cultura e isto indica que Sánchez quis retificar a sua primeira escolha. Por outro lado o que aconteceu com Màxim Huertas mostra que neste momento Pedro Sánchez pôs a fasquia muito alta. Em 2015 criticou [Juan Carlos] Monedero por ter problemas com as Finanças e essas declarações obrigaram-no a tomar esta decisão. Dizem que o problema foi resolvido rapidamente mas foi a imprensa que denunciou a situação a fazer o seu papel de contra-poder.

Formar governo com mais mulheres que homens é sinónimo de mudança em Espanha ou só uma estratégia?

Significa que Sánchez tem de dar sinais para ganhar as próximas eleições. Primeiro, para fazer crescer o PSOE. Agora há uma corrente forte do tema feminino e o socialismo espanhol tem sensibilidade e sabe aproveitá-la. Mas sabe que a legislatura vai ser curta e tudo devem ser gestos. Tal como acontece com a composição da equipa. É um governo de vitrina para poder fazer brilhar a "mercadoria".

É uma equipa com pessoas muito diferentes. Pode resultar?

Enquanto não começa a funcionar nunca se sabe. Os percursos de muitos dos ministros são muito bons mas a política é outra coisa. É sempre a mesma questão: um governante deve ser mais técnico ou mais político? Este governo não vai poder fazer grandes reformas porque não tem apoio no Parlamento. A maioria dos ministros está bem escolhida e pelo seu perfil é um governo de centro esquerda. Os apoios que facilitaram a moção de censura de Sánchez [ao executivo de Mariano Rajoy] queixam-se porque não se sentem identificados e o novo primeiro-ministro vai à procura dos votos no espaço de Ciudadanos. Ele pensa que as pessoas que votavam no PSOE e foram para o Podemos vão voltar porque Rajoy já foi expulso.

A estratégia de Sánchez parece estar a funcionar, com o PSOE a crescer nas sondagens...

Só podia. Quando ganhas o poder, a vitória dá-te créditos nas sondagens. É bom que o PSOE tenha força. É interessante que melhore as expectativas.

A decisão de trazer o navio Aquarius com imigrantes para Valencia, foi mais um gesto?

É um gesto para que as pessoas vejam mas também é um gesto humanitário. Estamos a falar de um barco cheio de pessoas que precisam de ajuda. Acontece no momento da estreia de Sánchez quando este precisa de brilhar. Houve agilidade na gestão mas o que foi feito com o navio é um remendo. É bom ajudar mas o problema não fica resolvido. A Europa deve encontrar uma solução de forma mais inteligente porque não se trata de ver para que porto vai o barco.

Sánchez já ganhou o respeito dos espanhóis?

Só por tirar Rajoy do poder ganhou o apoio de muitos na esquerda radical. Sánchez teve uma evolução muito significativa em muito pouco tempo e deve ser reconhecido. Todos o considerámos um cadáver político quando deixou o cargo de deputado e agora é o presidente do governo. Teve audácia e a sociedade gosta disso. Arriscou e lutou contra os grandes do seu partido. E tudo isto faz com que atraia mais a opinião pública. Agora vamos ver como é como dirigente.

E fora de Espanha?

Na Europa mandou mensagens esclarecedoras de que é europeísta e devem confiar nele. Primeiro com a nomeação de Josep Borrell para chefe da diplomacia - pela sua trajectória na Europa. E segundo com a ministra da Economia que chega de Bruxelas. A força ganha-se com o tempo. Foi acusado de ser desleal e interesseiro e de não saber manter a sua palavra. Agora deve dar mostras da sua grandeza política. Em Espanha já o fez, mas na Europa ainda temos que ver como se mexe e como interage.

As eleições antecipadas estão fora de questão?

A intenção deste governo é ficar por um tempo. Ganham visibilidade e umas eleições não interessam aos socialistas. Antes das autárquicas de maio de 2019 não vai convocar eleições e, depois, vai depender dos resultados.

O Ciudadanos é o partido que mais perdeu nestas últimas semanas?

Assim vemos a volatilidade da política. O grande perdedor foi o PP que se tem de reconstruir mas quem perdeu também muito foi o Ciudadanos. Rivera jogou forte, criticou muito a sentença do caso Gürtel a pensar que poderia forçar umas eleições. A moção de censura deixou-o fora de jogo. Perdeu bastante vantagem e isto também demonstra que o seu sucesso era muito frágil.

Há algum candidato mais forte para suceder a Rajoy?

O partido aspira a ter uma lista única para evitar a divisão e fala-se muito em Alberto Núñez Feijóo. Não se esperam surpresas de última hora mas nunca se sabe na política.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.