Salsicha de canguru e cerveja fresca: cimeira da APEC sem acordo mas com churrasco

Pela primeira vez da sua história a cimeira da APEC terminou sem comunicado conjunto final, mas líderes das nações do Pacífico aproveitaram final do encontro na Papua Nova Guiné para um momento de descontração em que discutiram alguns dos problemas que os preocupam

A cimeira da APEC - Cooperação Económica Ásia-Pacífico - terminou em Port Moresby, a capital da Papua Nova Guiné, sem comunicado conjunto. Algo inédito na história destes encontros e que mostra bem as divisões entre os líderes presentes.

Mas isso não impediu os líderes das nações do Pacífico de terminarem em grande, com um churrasco oferecido pelo Alto Comissariado da Austrália e no qual não faltou salsicha de canguru e cerveja fresquinha.

Apesar de pouco populosas, as nações do Pacífico são consideradas de importância estratégica tanto devido aos cardumes de peixe que abrigam, como às reservas de combustíveis fósseis. Mas nesta cimeira da APEC, as suas preocupações, sobretudo com as alterações climáticas e com o desenvolvimento, acabaram por ser relegadas para segundo lugar devido à guerra de palavras entre as grandes potências - China e EUA - sobre o comércio.

"Não estamos interessados em tomar partidos, ficamos felizes de poder trabalhar com todos os parceiros e apreciamos a ajuda que nos dão", disse à Reuters o ministro das Finanças da Papua, Charles Abel.

A China é atualmente o segundo maior doador para a região, atrás da Austrália, tendo passado de quase nada há uma década.

No domingo à noite, com o calor escaldante a acalmar, o primeiro-ministro australiano Scott Morrison meteu as salsichas de canguru no fogareiro e convidou os líderes dos restantes países do Pacífico para uma cerveja fresquinha. Uma oportunidade para discutir as suas preocupações, sem grandes potências a imporem-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.