Rutura de barragem em Myanmar obriga a deslocar 63 mil pessoas

Mais de 63 mil pessoas tiveram de ser retiradas das suas casas na antiga Birmânia após uma barragem ter cedido na área central do país. Há dezenas de aldeias inundadas

Mais de 63 mil pessoas tiveram de ser retiradas das suas casas em Myanmar (antiga Birmânia) após uma barragem ter cedido na área central do país, causando a inundação de dezenas de aldeias, informou hoje a imprensa estatal.

O incidente ocorreu na quarta-feira no município de Yedashe, localizado a cerca de 65 quilómetros a sul da capital, Naypyidaw, segundo o jornal Global New Light.

A água atingiu 85 aldeias deste município da região de Bago, onde os moradores tiveram de ser retirados pelo Governo local e pelo Exército, para serem assistidos pela Cruz Vermelha birmanesa.

A água também danificou uma ponte e inundou cerca de oito quilómetros da rodovia Rangoon-Mandalay, a principal do país, obrigando ao corte da linha férrea.

O incidente aconteceu após o nível de água na barragem ter ultrapassado os 103 metros, meio metro acima de sua capacidade máxima, segundo o jornal, que atribuiu a rutura ao excesso de chuvas neste período habitualmente marcado pelas monções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.