Russos acusaram EUA de ajudar Estado Islâmico... com imagens de videojogo

Ministério da Defesa da Rússia já assumiu erro, mas não explicou como aconteceu. Norte-americanos falam em "mentiras"

O ministério da Defesa da Rússia afirmou esta terça-feira que um colaborador anexou as fotografias erradas à acusação de que os EUA estariam a dar apoio aéreo e cobertura a elementos do Estado Islâmico, na Síria. O erro nas imagens foi detetado pela Conflict Intelligence Team, um grupo de russos que que analisa as afirmações das forças armadas russas. Não foi esclarecido, porém, como é que o erro aconteceu e porque é que as imagens utilizadas não foram as corretas. O ministério da Defesa russo já afirmou que vai investigar o caso.

Esta terça-feira, o ministério russo postou nas redes sociais uma declaração - cujas imagens já foram, entretanto, alteradas - que explicava que os meios aéreos norte-americanos tentaram dificultar os ataques russos ao Estado Islâmico. Na mesma publicação, estavam imagens que, afinal, não correspondiam às "provas irrefutáveis" que os russos afirmavam ter. Um das imagens era de um jogo de computador, chamado AC-130 Gunship Simulator: Special Ops Squadron. Supostamente, as imagens seriam de um veículo do Estado Islâmico a deixar a cidade síria de Albu Kamal, a 9 de novembro deste ano. As outras quatro fotografias seriam de 2006, mais concretamente de imagens divulgadas pelo ministério iraquiano da Defesa, em que forças do Iraque bombardeavam alvos do Estado Islâmico perto de Falluja, Iraque.

"No entanto, a recusa dos EUA em atacarem através do ar instalações do Estado Islâmico que abandonavam a cidade Albu Kamal é um facto objetivo", afirmou a Defesa russa de acordo com a agência Interfax.

Entretanto, o Coronel Ryan Dillon, porta-voz da coligação liderada pelos EUA, já disse que as alegações russas são "mentiras".

"Não posso confirmar, mas já ouvi que uma das imagens veio de um videojogo. Portanto, isto é mais uma vez consistente em relação ao que temos visto do ministério da Defesa russo. Não tem qualquer fundamento e é completamente falso", disse ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.