"Rússia não é tão forte e poderosa quanto era a União Soviética"

Paul Ivan afirmou que há grandes diferenças entre a Guerra Fria e a atualidade. Primeiro, a força da Rússia não é a mesma da União Soviética, segundo não existe o desejo de espalhar nenhuma ideologia, como aconteceu no passado

O analista político europeu, defendeu que o regresso à Guerra Fria está longe de acontecer, uma vez que a Rússia, apesar de insatisfeita com o seu papel na ordem mundial, não tem o poderio da União Soviética.

Em entrevista à Agência Lusa, o analista sénior de política do Centro de Política Europeia refutou a ideia de que "uma segunda Guerra Fria, ou uma Guerra Fria 2.0" possa estar iminente, apesar de reconhecer que a tensão entre o ocidente e a Rússia aumentou "exponencialmente" nos últimos meses.

"Existem diferenças importantes relativamente à Guerra Fria: a Rússia não é tão forte e poderosa quanto o era a União Soviética. E, ao contrário da Guerra Fria, não deseja espalhar uma ideologia, como a União Soviética tentou fazer com o comunismo. Ao mesmo tempo, a Rússia oferece alguns dos mesmos desafios que a URSS colocava. Basta pensarmos nesta crescente militarização, no incremento da presença militar, no desenvolvimento de um novo sistema de mísseis, o apoio a regimes amigos", analisou.

Para Paul Ivan, a Rússia não desgosta do uso do termo Guerra Fria, porque "eleva o seu perfil". É "parte da estratégia russa estabelecer o diálogo de alto nível que a URSS tinha com os Estados Unidos na Guerra Fria. [O termo] faz referência a um período no qual a Rússia, na sua encarnação como URSS, era um protagonista mais forte do que é hoje", sustentou.

Rússia "parece já não estar satisfeita com a ordem mundial instituída e que quer estabelecer-se como um dos superpoderes ou, pelo menos, como um poder global nesta ordem mundial", com Moscovo a estar disposto a quebrar, inclusive, a lei internacional

"A Rússia está a apelar a um mundo multipolar, no qual quer assumir-se como um dos polos", completou. De acordo com o analista, é nesse sentido que se inscreve a ação do presidente russo na Síria. "[Vladimir] Putin quer preservar uma das poucas alianças que tem nessa parte do Mundo e impor-se nesse dossier, demonstrando que nenhuma solução pode ser alcançada sem a participação da Rússia no processo de decisão", esclareceu.

Apesar dos focos de conflito recentes entre o Governo russo e o norte-americano, nomeadamente com o intervenção militar dos EUA, França e Reino Unido na Síria, Paul Ivan não acredita numa escalada substancial da tensão entre as partes.

"De uma perspetiva europeia, uma eventual escalar na tensão entre os Estados Unidos e a Rússia reduziria o papel da União Europeia (UE), o que não seria bem-vindo. Nessa situação, a agulha voltar-se-ia para a capacidade militar, para a segurança, e essas não são áreas em que a UE possa estar necessariamente orgulhosa de si própria", disse.

Não espero que a UE sirva de mediadora [em caso de uma nova Guerra Fria], porque os Estados Unidos e a Rússia têm a capacidade de negociar e dialogar entre eles

Para o especialista da área das relações comunitárias com o Leste, as divisões existentes entre os 28 Estados-membros quanto à postura que o bloco comunitário deve adotar na relação com a Rússia condiciona a ação da UE.

"Diria que, na generalidade, a UE está interessada em desenvolver boas relações com a Rússia. Qualquer sanção adotada é imposta de maneira limitada, de modo a enviar uma mensagem à Rússia, mas não ao ponto de hipotecar as trocas comerciais. Há muitas trocas comerciais que os Estados-membros vão querer preservar. A UE importa cerca de um terço do seu gás da Rússia e isto coloca alguns desafios", disse à Lusa.

Paul Ivan defendeu ainda que o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal e da filha, Yulia, em solo britânico, que provocou uma das piores crises nas relações entre a Rússia e o ocidente desde a Guerra Fria e conduziu a uma vaga histórica de expulsões recíprocas de diplomatas, expôs as divisões existentes entre os 28.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.