"Rússia não é tão forte e poderosa quanto era a União Soviética"

Paul Ivan afirmou que há grandes diferenças entre a Guerra Fria e a atualidade. Primeiro, a força da Rússia não é a mesma da União Soviética, segundo não existe o desejo de espalhar nenhuma ideologia, como aconteceu no passado

O analista político europeu, defendeu que o regresso à Guerra Fria está longe de acontecer, uma vez que a Rússia, apesar de insatisfeita com o seu papel na ordem mundial, não tem o poderio da União Soviética.

Em entrevista à Agência Lusa, o analista sénior de política do Centro de Política Europeia refutou a ideia de que "uma segunda Guerra Fria, ou uma Guerra Fria 2.0" possa estar iminente, apesar de reconhecer que a tensão entre o ocidente e a Rússia aumentou "exponencialmente" nos últimos meses.

"Existem diferenças importantes relativamente à Guerra Fria: a Rússia não é tão forte e poderosa quanto o era a União Soviética. E, ao contrário da Guerra Fria, não deseja espalhar uma ideologia, como a União Soviética tentou fazer com o comunismo. Ao mesmo tempo, a Rússia oferece alguns dos mesmos desafios que a URSS colocava. Basta pensarmos nesta crescente militarização, no incremento da presença militar, no desenvolvimento de um novo sistema de mísseis, o apoio a regimes amigos", analisou.

Para Paul Ivan, a Rússia não desgosta do uso do termo Guerra Fria, porque "eleva o seu perfil". É "parte da estratégia russa estabelecer o diálogo de alto nível que a URSS tinha com os Estados Unidos na Guerra Fria. [O termo] faz referência a um período no qual a Rússia, na sua encarnação como URSS, era um protagonista mais forte do que é hoje", sustentou.

Rússia "parece já não estar satisfeita com a ordem mundial instituída e que quer estabelecer-se como um dos superpoderes ou, pelo menos, como um poder global nesta ordem mundial", com Moscovo a estar disposto a quebrar, inclusive, a lei internacional

"A Rússia está a apelar a um mundo multipolar, no qual quer assumir-se como um dos polos", completou. De acordo com o analista, é nesse sentido que se inscreve a ação do presidente russo na Síria. "[Vladimir] Putin quer preservar uma das poucas alianças que tem nessa parte do Mundo e impor-se nesse dossier, demonstrando que nenhuma solução pode ser alcançada sem a participação da Rússia no processo de decisão", esclareceu.

Apesar dos focos de conflito recentes entre o Governo russo e o norte-americano, nomeadamente com o intervenção militar dos EUA, França e Reino Unido na Síria, Paul Ivan não acredita numa escalada substancial da tensão entre as partes.

"De uma perspetiva europeia, uma eventual escalar na tensão entre os Estados Unidos e a Rússia reduziria o papel da União Europeia (UE), o que não seria bem-vindo. Nessa situação, a agulha voltar-se-ia para a capacidade militar, para a segurança, e essas não são áreas em que a UE possa estar necessariamente orgulhosa de si própria", disse.

Não espero que a UE sirva de mediadora [em caso de uma nova Guerra Fria], porque os Estados Unidos e a Rússia têm a capacidade de negociar e dialogar entre eles

Para o especialista da área das relações comunitárias com o Leste, as divisões existentes entre os 28 Estados-membros quanto à postura que o bloco comunitário deve adotar na relação com a Rússia condiciona a ação da UE.

"Diria que, na generalidade, a UE está interessada em desenvolver boas relações com a Rússia. Qualquer sanção adotada é imposta de maneira limitada, de modo a enviar uma mensagem à Rússia, mas não ao ponto de hipotecar as trocas comerciais. Há muitas trocas comerciais que os Estados-membros vão querer preservar. A UE importa cerca de um terço do seu gás da Rússia e isto coloca alguns desafios", disse à Lusa.

Paul Ivan defendeu ainda que o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal e da filha, Yulia, em solo britânico, que provocou uma das piores crises nas relações entre a Rússia e o ocidente desde a Guerra Fria e conduziu a uma vaga histórica de expulsões recíprocas de diplomatas, expôs as divisões existentes entre os 28.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.