Nem Estaline faltou. Rússia homenageia dirigentes soviéticos em novos bustos

Nova "Alameda dos Governantes" inclui agora todos os líderes comunistas

Uma série de bustos de governantes soviéticos, desde Lenine a Gorbachov, foi colocada hoje em Moscovo, em vésperas do centenário da Revolução Bolchevique de 1917.

As obras, do escultor mais popular da Rússia pós-soviética, Zurab Tsereteli, foram instaladas no designado "Alameda dos Governantes", criada em maio, pela Sociedade Militar-Histórica do país.

A partir de hoje, esta Alameda conta com os bustos dos sete dirigentes soviéticos: Vladimir Lenine, Josef Estaline, Nikita Khruschov, Leonid Brejnev, Yuri Andropov, Konstantin Chernenko e Mikhail Gorbachev.

O que mais se destaca é o de Estaline, uma vez que são muito poucos os monumentos deste dirigente soviético de origem georgiana inaugurados desde o fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), em 1991.

Opositores e historiadores acusam as autoridades de procurarem reabilitar a figura de Estaline, cuja imagem melhorou entre os russos, segundo as sondagens mais recentes.

"Os liberais criticam-nos, porque não se têm erigido estátuas de Lenine e Estaline nas últimas décadas", admitiu Vladislav Kononov, representante da Sociedade Militar-Histórica, durante a cerimónia.

"E os conservadores criticam-nos, provavelmente por (estarem) os bustos de Gorbachov e Yeltsin. Mas estamos a trabalhar para conservar a história e não pretendemos satisfazer nem uns nem outros", contrapôs.

O vice-ministro da Cultura russo, Alexandr Zhuravski, adiantou que o busto de Boris Yelstin vai ser inaugurado em 01 de fevereiro, por ocasião do 87.º aniversário do seu nascimento.

A Alameda inclui 33 dirigentes, começando com Rurik, o chefe militar viking que fundou no século IX a primeira dinastia que governou o território dos Rus.

Há alguns meses foram feitas críticas à Alameda pela instalação na sua entrada de uma estátua de Ivan, designado O Terrível, considerado o czar mais sangrento da história e fundador do moderno Estado russo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.