Nem Estaline faltou. Rússia homenageia dirigentes soviéticos em novos bustos

Nova "Alameda dos Governantes" inclui agora todos os líderes comunistas

Uma série de bustos de governantes soviéticos, desde Lenine a Gorbachov, foi colocada hoje em Moscovo, em vésperas do centenário da Revolução Bolchevique de 1917.

As obras, do escultor mais popular da Rússia pós-soviética, Zurab Tsereteli, foram instaladas no designado "Alameda dos Governantes", criada em maio, pela Sociedade Militar-Histórica do país.

A partir de hoje, esta Alameda conta com os bustos dos sete dirigentes soviéticos: Vladimir Lenine, Josef Estaline, Nikita Khruschov, Leonid Brejnev, Yuri Andropov, Konstantin Chernenko e Mikhail Gorbachev.

O que mais se destaca é o de Estaline, uma vez que são muito poucos os monumentos deste dirigente soviético de origem georgiana inaugurados desde o fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), em 1991.

Opositores e historiadores acusam as autoridades de procurarem reabilitar a figura de Estaline, cuja imagem melhorou entre os russos, segundo as sondagens mais recentes.

"Os liberais criticam-nos, porque não se têm erigido estátuas de Lenine e Estaline nas últimas décadas", admitiu Vladislav Kononov, representante da Sociedade Militar-Histórica, durante a cerimónia.

"E os conservadores criticam-nos, provavelmente por (estarem) os bustos de Gorbachov e Yeltsin. Mas estamos a trabalhar para conservar a história e não pretendemos satisfazer nem uns nem outros", contrapôs.

O vice-ministro da Cultura russo, Alexandr Zhuravski, adiantou que o busto de Boris Yelstin vai ser inaugurado em 01 de fevereiro, por ocasião do 87.º aniversário do seu nascimento.

A Alameda inclui 33 dirigentes, começando com Rurik, o chefe militar viking que fundou no século IX a primeira dinastia que governou o território dos Rus.

Há alguns meses foram feitas críticas à Alameda pela instalação na sua entrada de uma estátua de Ivan, designado O Terrível, considerado o czar mais sangrento da história e fundador do moderno Estado russo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.