Rússia considera um erro a retirada dos EUA do Conselho de Direitos Humanos da ONU

País norte-americano acusa a organização de hipocrisia e de ser tendenciosa contra Israel

A Rússia considerou esta quarta-feira como errada a retirada dos Estados Unidos do Conselho dos Direitos Humanos da ONU (CDH), afirmando que revela um "grosseiro cinismo" e "desprezo" pelas Nações Unidas.

"Uma vez mais os Estados Unidos infligiram um grave golpe à sua reputação de defensores dos direitos humanos, demonstraram o seu desprezo (...) pela ONU e as suas estruturas", declarou em conferência de imprensa Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.

Zakharova denunciou de seguida o "grosseiro cinismo" dos norte-americanos "que recusam obstinadamente de reconhecer a existência de graves problemas para os direitos humanos no seu próprio país", acusando-os de terem pretendido "moldar a estrutura do CDH segundo os seus interesses".

O CDH "deve estar ao serviço de todos os Estados-membros, e não de um único país", frisou a porta-voz, acrescentando que a retirada norte-americana "não foi uma surpresa" para a Rússia.

Ao acusar os Estados Unidos de "tentarem impor aos outros países do mundo uma versão particular dos americanos sobre os direitos humanos", afirmou que o CDH já "trabalhou eficazmente" sem os Estados Unidos.

Os Estados Unidos anunciaram na terça-feira a sua retirada da organização com sede em Genebra, que acusam de hipocrisia e de ser tendenciosa contra Israel.

O CDH foi criado em 2006 para promover e proteger os direitos humanos pelo mundo mas os seus relatórios opuseram-se muitas vezes às prioridades norte-americanas.

Após a chegada à Casa Branca do republicano Donald Trump no início da 2017, os Estados Unidos retiraram-se da UNESCO, interromperam diversos financiamentos a organismos da ONU e anunciaram designadamente a sua retirada do acordo de Paris sobre o clima e do acordo nuclear com o Irão patrocinado pelas Nações Unidas.

A saída dos Estados Unidos do Conselho dos Direitos Humanos não é inédita. Em 2006, a administração do republicano George W. Bush já tinha boicotado o CDH, mas o seu sucessor democrata Barack Obama optou pelo regresso do país ao organismo da ONU.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.