Ruínas do século III descobertas durante as obras do metro de Roma

Escavações para extensão da linha acabaram por revelar novos segredos sobre a antiga vida da cidade

As escavações para a construção de uma nova linha de metro em Roma, em Itália, levaram à descoberta de vestígios de um edifício, que deverá ser do início do século III, e do esqueleto de um cão com cerca de 1800 anos.

Arqueólogos fizeram a descoberta a 23 de maio, quando examinavam um buraco de 10 metros perto de antigas muralhas da cidade, e acreditam que o animal terá sido vítima do mesmo fogo que destruiu o edifício.

De acordo com o jornal britânico Guardian, o Ministério da Cultura italiano diz que encontrou uma "cena parecida com a de Pompeia".

Peritos dizem ainda que as ruínas encontradas podem ser da casa de um aristocrata ou de edifícios militares que já foram explorados, precisamente noutras escavações resultantes do alargamento da linha do metro.

"O fogo que parou a vida neste ambiente permite-nos imaginar a vida num preciso momento", afirmou Francesco Prosperetti, chefe do organismo responsável pelas ruínas e escavações em Roma.

"A descoberta de um teto de madeira queimada representa um evento único para a cidade de Roma", disse fonte do Ministério da Cultura.

O fogo que endureceu e manteve os vestígios descobertos em bom estado, preservou-os de uma forma raramente vista, frisaram os arqueólogos responsáveis.

Este tipo de descobertas é bastante importante para se perceber como viviam, mas também como construíam os romanos, à época de que se julga serem as ruínas e o esqueleto descobertos.

Roma tem uma limitada rede de metro porque as escavações e os trabalhos acabam por revelar várias vezes segredos arqueológicos de um dos impérios mais importantes que o planeta já viu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".