Rui Rio: Orbán "é capaz de não estar muito contente"

O líder do PSD está em Salzburgo para a Cimeira do PPE, a família política que partilha na Europa com o polémico primeiro-ministro Húngaro, Viktor Orbán.

É a primeira vez que o PPE se reúne depois do Parlamento Europeu desencadear o processo que pode levar à retirada de poderes da Hungria dentro do Conselho Europeu. O governo daquele país pode perder o direito de voto no conselho, se a recomendação do Parlamento for acolhida.

Rio admite que a expulsão de Viktor Orbán, do próprio PPE, é uma possibilidade em cima da mesa, que vai ser discutida muito em breve, dado o incomodo que o Húngaro está a criar ao Partido Popular Europeu. "Faz sentido que isso esteja em cima da mesa. Logo veremos se sim, ou se não", afirmou o presidente do PSD.

"O que penso que vai acontecer é o PPE, no seu próximo congresso, que vai ser em Helsínquia, em novembro, fazer uma moção concreta sobre as questões do Estado de Direito. Veremos qual é a participação que o senhor Viktor Orbán tem nisso e a sua concordância ou não com aquilo que vai ser essa moção", disse.

À entrada para a Cimeira da família política a que pertence a direita europeia, Rui Rio considerou no entanto que a imagem do PPE não sai beliscada, pela controvérsia em torno de um dos membros da família. "Poderia deixar ficar mal o PPE, se o PPE não fizesse nada. Mas, o que o PPE está a fazer alerta para aquilo que é a nossa ideologia e os nossos valores", defendeu, considerando ainda que o voto do PPE, a favor de um relatório que pode suspender os poderes de um governo da mesma cor política, nem foi um sinal de coragem, antes de coerência com os valores europeus.

"Também não é preciso grande coragem. Se estivermos firmes nos nossos valores, faremos sempre aquilo que a coerência, ao longo dos tempos, nos manda fazer. E, aquilo que o PPE fez vem na sequência daquilo que é o historial do Partido Popular Europeu, do valores e das dúvidas que temos relativamente a alguns aspetos do Estado de Direito na Hungria", afirmou.

Questionado se espera um Viktor Orbán zangado, nas duas Cimeiras em que participa em Salzburgo, Rio afirmou que Orban "é capaz de não estar muito contente".

O Partido Popular Europeu reúne-se habitualmente antes dos encontros de líderes europeus. É a primeira vez que Viktor Orbán participará na cimeira do PPE, que junta chefes de Estado ou de governo e os lideres da oposição, pertencentes àquela família política europeia.

Por exemplo, a chanceler alemã, Angela Merkel ou o anfitrião austríaco, Sebastian Kurz. Por também pertencerem à família do PPE, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk e o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani também estarão no encontro habitual de preparação da cimeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.