Venezuela. "É como se nos tivessem subtraído o suor do nosso esforço"

País retirou cinco zeros ao bolívar e colocou em circulação o bolívar soberano

Ruas desertas, comércios encerrados e poucos carros em circulação marcaram as primeiras horas desta segunda-feira, em Caracas, dia em que a Venezuela retirou cinco zeros ao bolívar e colocou em circulação o bolívar soberano.

Esta segunda-feira, na Venezuela, é feriado nacional, decretado pelo Governo devido à reconversão monetária, e o cenário da capital é idêntico ao de várias localidades do interior, inclusive em zonas de praias, que tradicionalmente registam grande afluência aos feriados e fins de semana.

"Esta manhã consegui entrar na página web do banco e senti uma angústia terrível ao ver que já tinham eliminado os zeros. Não há palavras para explicar as emoções, é como se nos tivessem subtraído o suor do nosso esforço", explicou um luso-descendente à agência Lusa.

Filho de madeirenses, Rafael Bettencourt, 25 anos e engenheiro informático, é casado e pai de duas crianças (2 e 5 anos) e nos últimos tempos teve que mudar os hábitos, até porque apesar de ter "um salário razoável", o dinheiro não chega.

"Há uns três anos, nós comíamos fora aos fins de semana, íamos ao café, ao cinema, viajávamos ao interior do país e vivíamos confortavelmente, sem grandes luxos. Geralmente quando há um feriado à segunda-feira, vou à praia, desta vez fiquei em casa, no domingo nem saí ao cinema porque até isso já nem posso fazer, pelo caro que está", explicou.

Por outro lado, diz­-se preocupado, até por ter dúvidas se a empresa para onde trabalha poderá continuar a funcionar, tendo em conta o que implica o novo aumento de 35 vezes no salário mínimo mensal dos venezuelanos, decretado pelo Presidente, Nicolás Maduro.

"Esta é a segunda reconversão, a primeira foram três zeros e foi fácil, mas agora são cinco. Sinto que fiquei sem dinheiro"

"Com o salário, não é apenas o aumento, porque é preciso somar os subsídios, o seguro, os aportes para diversos organismos e entre tudo poderá ser mais 20%", disse.

Por outro lado Aída de Goncalves, 38 anos, analista de uma empresa de seguros, está apreensiva porque ao ver a conta do banco "parece que não tem nada".

"Esta é a segunda reconversão, a primeira foram três zeros e foi fácil, mas agora são cinco. Sinto que fiquei sem dinheiro", frisou.

Esta segunda-feira, em Caracas, as ruas estavam praticamente desertas, em várias urbanizações tradicionalmente movimentadas aos domingos e feriados, como Sabana Grande, Los Símbolos, Plaza Venezuela, Chacaíto, entre outras.

Em Valência, 200 quilómetros a oeste de Caracas, o cenário era parecido, como em La Avenida Lara, la Avenida Bolívar e El Trigal, segundo relataram telefonicamente várias pessoas à agência Lusa.

Por outro lado, em Higuerote, 120 quilómetros a leste da capital, haviam algumas dezenas de pessoas em três quilómetros de praia, entre a praia Chocolate e a praia Valle Seco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.