Roy Moore a Bill Clinton: quando sexo e política se misturam

Governo britânico perdeu este mês o ministro da Defesa por causa de uma mão no joelho de uma jornalista durante um jantar

Uma mulher acusou Roy Moore, o nomeado republicano ao cargo de senador do Alabama, de iniciar um encontro sexual com ela quando tinha 14 anos e ele 32, noticiou na quinta-feira o The Washington Post, o que levou destacados republicanos a defender que este deve afastar-se caso as alegações forem verdadeiras. Moore, de 70 anos, rejeitou as acusações, chamando-as de "completamente falsas e um ataque político desesperado".

O pedido de afastamento mais destacado veio da Casa Branca. "O presidente acredita que se estas alegações são verdade, o juiz Moore fará a coisa certa e afastar-se-á", afirmou Sarah Sanders, a porta-voz da administração Trump. Uma opinião partilhada pelo líder do Senado, o republicano Mitch McConnell.

Este caso é o mais recente, mas está longe de ser único na política mundial. No dia 1, o ministro da Defesa britânico, Michael Fallon, demitiu-se após admitir ter colocado a mãe no joelho de uma jornalista durante um jantar em 2002. De volta aos EUA, o do antigo congressista Anthony Weiner foi condenado em setembro a 21 meses de prisão por enviar mensagens sexualmente explícitas a uma menor. A primeira das suas indiscrições - sempre com imagens sexuais enviadas por sms - tinha levado à sua demissão do Congresso em 2011.

E claro, Bill Clinton, que teve um caso com a estagiária da Casa Branca Monica Lewinsky. O então presidente negou ter feito sexo "com aquela mulher", mas o famoso vestido azul com manchas suspeitas dizia o contrário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.