Roménia vai ser primeiro país da UE a ter uma chefe de governo muçulmana

Sevil Shhaideh, 52 anos, tem de ser confirmada pelo presidente e pelo Parlamento. Pertence à minoria tártara, de língua turca.

A campanha do Partido Social Democrata (PSD) romeno foi em grande parte baseada na promoção dos valores cristãos ortodoxos. Mas isso não impediu a formação, vencedora das eleições de dia 11, aliada entretanto aos liberais da ALDE, de propor uma muçulmana para primeira-ministra. Se o seu nome for aceite pelo presidente Klaus Iohannis - que já a adiou para depois do Natal - e pelo Parlamento, Sevil Shhaideh, de 52 anos, será não só a primeira mulher à frente do governo romeno, mas o primeiro muçulmano a chefiar um executivo de um país da União Europeia.

Parte da minúscula minoria muçulmana na Roménia - 0,3% dos 21,5 milhões de habitantes, enquanto os ortodoxos são 86% e os católicos 4,5% -, Shhaideh fez a maior parte da carreira em Constanta, uma cidade portuária do mar Negro, onde vivem muitos dos tártaros - grupo étnico de língua turca a que a economista pertence.

Casada com um empresário sírio, a candidata a primeira-ministra revela ainda na declaração de rendimentos de 2015, segundo o Financial Times, que é dona de três prédios na Síria - um em Latáquia e dois em Damasco.

Pouco conhecida em Bucareste, apesar de ter sido secretária de Estado do Desenvolvimento e mais tarde ter assumido essa pasta, a economista surge como uma tecnocrata, muito próxima do líder do PSD, Liviu Dragnea. Condenado a dois anos de pena suspensa em abril por fraude eleitoral no referendo de 2012 sobre a destituição do então presidente Traian Basescu, Dragne aceitou não ser o candidato a primeiro-ministro para facilitar o processo. Mas o seu discurso de apresentação de Shhaideh deixou claro que tenciona continuar a ser o homem que move os cordelinhos do poder na Roménia. "Se confirmada, ela será primeira-ministra, mas a responsabilidade política fica em primeiro lugar comigo", garantiu. "As pessoas estavam à espera de alguém controlado por Dragnea, mas alguém da elite do partido, não uma quase desconhecida", admitiu ao The New York Times Sergiu Miscoiu, professor de Ciência Política na Universidade de Cluj.

A relação de proximidade entre Shhaideh e Dragnea é conhecida. O líder do PSD foi padrinho de casamento da sua antiga colaboradora no Ministério do Desenvolvimento.

Acusado de ortodoxismo e nacionalismo durante a campanha, ao escolher a muçulmana Shhaideh para candidata a primeira-ministra, o PSD está a tentar afastar-se das críticas. Para Miscoiu, é como se a formação estivesse a dizer aos críticos: "Olhem o que fizemos, e agora, já gostam?" E Paul Ivan, ex-diplomata romeno e analista do European Policy Center em Bruxelas, não tem dúvidas de que "há claramente uma parte do eleitorado que não vai gostar. Não vão gostar que os dois cargos políticos mais importantes na Roménia sejam ocupados por membros de minorias étnicas e religiosas". O presidente Iohannis é descendente de alemães e protestante.

Acusada de falta de autoridade sobre o partido e de falta de experiência política, se for confirmada, Shhaideh pouco deverá alterar na política romena. Nem mesmo em relação às quotas de refugiados, na sua maioria oriundos do Médio Oriente e do Norte de África, a que Bucareste se opõe. "Ironicamente, o facto de ser muçulmana vai impedi-la de ser demasiado ousada em áreas como os refugiados, porque seria fácil diabolizá-la e dizer: "Claro que dizes isso, és muçulmana!", explica o analista Radu Magdin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.