Risco de confrontos militares aumentou no mundo

O risco de conflitos políticos, económicos e militares aumentou consideravelmente, segundo um relatório do Fórum de Davos, cuja reunião anual decorre na próxima semana.

O Global Risks Report enumera vários perigos para 2018, desde os ataques informáticos às ameaças ambientais, mas o elemento mais saliente é a chamada de atenção para o que define como um aumento importante do risco de conflito militar, resultado da escalada verbal entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte devido aos testes nucleares e a sucessivos disparos de mísseis balísticos pelo regime liderado por Kim Jong-un.

O relatório do Fórum de Davos, cuja reunião anual decorre entre 23 e 26 de fevereiro, na cidade suíça com este nome, resulta das contribuições de mais de mil empresários, universitários, banqueiros, figuras políticas e organizações não-governamentais, e aponta para um agravamento de 93% das condições que podem levar a conflitos políticos e económicos. Dos inquiridos, 79% considera mais provável a eclosão de conflito militar, não só devido à situação na península coreana como ao agravamento de tensões no Médio Oriente. E 40% pensa que este risco se acentuou consideravelmente.

O relatório chama a atenção para decisões unilaterais como as tomadas pelo presidente Donald Trump em retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima, pôr em causa acordos de comércio internacional, como a Parceria Transpacífica, ou de renegociar outros, como o de comércio livre com o Canadá e o México, considerando que aquelas comprometem a eficácia dos mecanismos multilateralistas, que define como essenciais para a resolução dos conflitos internacionais. O documento considera também errada a postura de Trump na questão do acordo sobre o nuclear do Irão. Para o responsável da consultora Marsh, que compilou o relatório, John Drzik, "os riscos com que é necessário lidar requerem soluções multilaterais, e estamos a deslocar-nos na direção oposta".

O Global Risks Report, pelo lado positivo, destaca a recuperação económica a que se está a assistir a nível internacional, mas não deixa de chamar a atenção para o "problema corrosivo" das desigualdades no plano dos rendimentos e para um possível sentimento de complacência devido à boa conjuntura.

Donald Trump estará presente no Fórum de Davos, pronunciando um discurso no último dia. Trump é o segundo presidente dos EUA a deslocar-se a Davos e, além da sua intervenção, pretende reunir-se com empresários, disse à Reuters o fundador do Fórum, Klaus Schwab. O primeiro presidente americano em Davos foi Bill Clinton, em 2000.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.