Encontro Barroso e Katainen é "não assunto"

Na polémica reunião, tornada pública, foram abordadas questões de mercado e de defesa.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, classificou hoje como um "não assunto" a polémica em torno de uma reunião entre Durão Barroso e o comissário Jyrki Katainen.

"Isto é um não assunto", disse Juncker, questionado sobre a reunião durante uma conferência de imprensa.

Para o presidente do executivo comunitário, "a reunião respeitou na íntegra as regras existentes na comissão, nunca dissemos que José Manuel Barroso não podia encontrar-se com comissários".

A reunião foi tornada pública, em linha com as regras existentes

O vice-presidente da Comissão Europeia Jyrki Katainen confirmou ter-se reunido em outubro passado com Durão Barroso, em representação da Goldman Sachs, reavivando a polémica sobre a ida do antigo presidente do executivo comunitário para o banco de investimento norte-americano.

Jyrki Katainen inscreveu a reunião no dia seguinte a esta ter acontecido no livro de registo de transparência.

No encontro com Durão Barroso foram abordadas questões de mercado e de defesa.

O banco garantiu, em comunicado, que Durão Barroso sempre se recusou a representar o banco de investimento junto de responsáveis da União Europeia (UE), salientando que quaisquer encontros ocorridos são do foro pessoal.

A contratação de Durão Barroso, em 2016, pelo banco norte-americano foi muito contestada pelo fato de este ter estado dez anos à frente do executivo europeu (2004-2014), mas a comissão de ética - ainda que tenha classificado a opção do ex-presidente como "pouco sensata" considerou que não violava as regras em vigor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.