Retaliação. Parlamento iraquiano pede ao governo que proíba entrada de americanos

Deputados defendem "medida de reciprocidade"

Os deputados iraquianos decidiram esta segunda-feira apoiar uma "medida de reciprocidade" para com os Estados Unidos, depois de o presidente Donald Trump ter proibido a entrada nos EUA aos cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Iraque, Síria, Irão, Líbia, Somália, Sudão e Iémen.

Segundo a agência Reuters, o parlamento do Iraque pediu ao governo para "retaliar" e banir os norte-americanos de entrarem em solo iraquiano. O governo, porém, decidiu não avançar para já com qualquer proibição, tendo pedido a Trump que "reconsidere" a medida. "É necessário que a nova administração americana reconsidere esta decisão errada", frisa um comunicado emitido pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros do Iraque. Sublinhando a cooperação do Iraque e EUA na luta contra o Estado Islâmico, o governo iraquiano informa, na mesma declaração: "Afirmamos o desejo do Iraque de reforçar a parceria estratégica entre os dois países".

O ordem de Trump, que o presidente norte-americano assinou na sexta-feira, espoletou reações de indignação no Iraque, onde mais de 5000 militares dos EUA estão destacados para auxiliar as forças iraquianas e do Curdistão na luta contra o Estado Islâmico.

Fonte do governo de Bagdade revelou entretanto que o ministro dos Negócios Estrangeiros do Iraque, Ibrahim al-Jaafar, planeia encontrar-se com o embaixador dos EUA no país ainda esta segunda ou terça-feira, para transmitir a consternação do Iraque perante a medida adotada.

No sábado passado, também o Irão decidiu proibir a entrada de norte-americanos, em reação à decisão "insultuosa" do Presidente dos EUA de restringir as chegadas com origem em território iraniano.

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano considerou a decisão "ilegal, ilógica e contrária às regras internacionais". E acrescentou que a sua decisão vai manter-se enquanto a medida dos EUA estiver em vigor.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."