Restaurante oferece descontos mediante tamanho da copa de sutiã

Uma copa A equivale a um desconto de 5% enquanto uma copa G desconta 65% do valor da refeição

Um restaurante chinês tem sido alvo de polémica por oferecer descontos às mulheres, tendo por base o tamanho da copa de sutiã que usam.

A publicidade feita pelo restaurante mostra uma imagem de anime, em que as mulheres representadas estão em roupa interior, acompanhada do slogan: "Toda a cidade está à procura de SEIOS".

A imagem lista ainda os descontos que cada mulher pode obter mediante o tamanho da copa de sutiã, sendo que a copa A garante um desconto de 5% enquanto que a copa G vale 65% de desconto.

De acordo com a BBC, já foram apresentadas várias queixas às autoridades local relativas aos anúncios publicitários do restaurante "Trendy Shrimp", situado num centro comercial em Hangzhou, capital da província costeira de Zhejiang. Uma denúncia apelidava a publicidade feita pelo restaurante de "vulgar" e "discriminatória para as mulheres".

Os cartazes publicitários surgiram pela primeira vez a 1 de agosto, tendo sido posteriormente removidos.

Ainda assim, o gerente do "Trendy Shrimp", Lan Shenggang, defendeu a estratégia de vendas implementada: "Desde que a promoção começou, o número de clientes aumentou cerca de 20%. Algumas das meninas que conhecemos estavam muito orgulhosas - não tinham nada a esconder", disse.

Lan adiantou ainda que as clientes podiam reclamar os descontos junto das empregadas de mesa, a fim de "evitar constrangimentos" ao lidar com os funcionários masculinos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.