Resolução sobre Israel é um "um passo significativo"

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon encorajou os israelitas e palestinianos a retomarem o diálogo.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, considerou "um passo significativo" a resolução do Conselho de Segurança contra os colonatos nos territórios palestinianos. Com 14 votos a favor e a abstenção dos Estados Unidos, que foi fundamental, o máximo órgão de decisões da ONU aprovou hoje uma resolução que condena a política israelita de colonatos nos territórios palestinianos.

A resolução, que foi apresentado pela Venezuela, Nova Zelândia, Malásia e Senegal, exorta Israel a "parar imediatamente e completamente toda a atividade de colonização em território palestino ocupado, incluindo Jerusalém Oriental."

Comentando a decisão, através de seu porta-voz, Ban Ki-moon disse que a adoção da resolução é "um passo significativo" e mostra "a liderança muito necessária do conselho, e os esforços coletivos da comunidade internacional para confirmar que a visão dos Estados Unidos ainda é alcançável".

O secretário-geral da ONU "aproveita esta oportunidade para encorajar os líderes israelitas e palestinianos a trabalhar com a comunidade internacional para criar um ambiente favorável para o retorno às negociações significativas", refere na declaração.

"As Nações Unidas estão prontas para apoiar todas as partes para alcançar esse objetivo", disse Ban Ki-moon, que cessará funções no último dia do ano, sendo substituído no cargo pelo antigo primeiro-ministro português António Guterres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".