Resolução sobre Israel é um "um passo significativo"

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon encorajou os israelitas e palestinianos a retomarem o diálogo.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, considerou "um passo significativo" a resolução do Conselho de Segurança contra os colonatos nos territórios palestinianos. Com 14 votos a favor e a abstenção dos Estados Unidos, que foi fundamental, o máximo órgão de decisões da ONU aprovou hoje uma resolução que condena a política israelita de colonatos nos territórios palestinianos.

A resolução, que foi apresentado pela Venezuela, Nova Zelândia, Malásia e Senegal, exorta Israel a "parar imediatamente e completamente toda a atividade de colonização em território palestino ocupado, incluindo Jerusalém Oriental."

Comentando a decisão, através de seu porta-voz, Ban Ki-moon disse que a adoção da resolução é "um passo significativo" e mostra "a liderança muito necessária do conselho, e os esforços coletivos da comunidade internacional para confirmar que a visão dos Estados Unidos ainda é alcançável".

O secretário-geral da ONU "aproveita esta oportunidade para encorajar os líderes israelitas e palestinianos a trabalhar com a comunidade internacional para criar um ambiente favorável para o retorno às negociações significativas", refere na declaração.

"As Nações Unidas estão prontas para apoiar todas as partes para alcançar esse objetivo", disse Ban Ki-moon, que cessará funções no último dia do ano, sendo substituído no cargo pelo antigo primeiro-ministro português António Guterres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.