Resgata mais de 100 pessoas no Japão com uma moto de água

Em Machibo, centenas de pessoas ficaram encurraladas devido à subida das águas provocada pelas chuvas torrenciais que fizeram mais de 200 mortos no oeste do Japão. Um filho da terra tornou-se um herói improvável com a sua moto de água

Chama-se Shoichi Nato, tem 29 anos, e foi a salvação de uma centena de pessoas que ficaram encurraladas em Machibo, no Japão, devido à subida das águas provocadas pelas chuvas torrenciais que fizeram mais de 200 mortos no oeste do país.

Foi o telefonema de uma amiga de infância que o levou a deixar a cidade onde vive, Soja, e a regressar à terra natal. "A minha mãe está presa na sua casa em Machibo. Consegues ir resgatá-la", ouviu-se do outro lado do telefone na madrugada do dia 7 de julho, relata o The Asahí Shimbun.

Após o apelo de Keisuke Uemori, o operário da construção civil pediu uma moto de água emprestada a um amigo e à tarde já estava em Machibo, onde o nível das água atingia o segundo andar dos edifícios e continuava a subir.

Resgatou 120 pessoas, a maioria idosos, levando-os para o templo de Shinsenji, situado numa colina da cidade

Os habitantes de Machibo esperavam e desesperavam pela ajuda das equipas de socorro, mas foi Shoichi Nato quem os resgatou.

"É o herói da nossa cidade. O nosso salva vidas"

Encurraladas nos telhados dos prédios ou nos pisos superiores, várias pessoas imploravam por ajuda quando viam Nato na moto de água. Durante cerca de 15 horas, o jovem resgatou 120 pessoas, a maioria idosos, levando-os para o templo de Shinsenji, situado numa colina da cidade. Mas foi a mãe de Keisuke Uemori quem Schoichi Nato salvou primeiro.

"É o herói da nossa cidade. O nosso salva vidas", exclamou Tadayoshi Iwata, de 73 anos, que não segurou as lágrimas enquanto estava a ser resgatado por Nato, um operário da construção civil que tem como hobby andar precisamente de moto de água.

Iwata estava com a mulher no telhado de um prédio quando Schoichi Nato apareceu. "Deixe-me salvar as crianças primeiro. Eu vou voltar por qualquer meio. Aguente", prometeu-lhes. E voltou. Missão cumprida.

Mas a vontade de ajudar deste jovem não se ficou por aqui. Dias depois regressou como voluntário para prestar auxílio aos desalojados de Machibo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.