Senadores dos EUA querem ouvir líderes da Facebook, Google e Twitter

Zuckerberg, do Facebook, e os homólogos da Google e do Twitter poderão ser chamados para uma audição

Senadores dos EUA, dos partidos democrata e republicano, querem ouvir o presidente da Facebook, Mark Zuckerberg, "o mais depressa possível", à semelhança dos seus pares dos parlamentos europeu e britânico.

Em carta conjunta, a senadora democrata Amy Klobuchar, eleita pelo Estado do Minnesota, e o senador republicano John Kennedy, do Estado do Luisiana, solicitaram ao presidente da comissão de Justiça do Senado, o republicano Chuck Grassley, do Estado do Iowa, que convoque Zuckerberg e os homólogos da Google e Twitter para uma audição.

Este pedido decorre de informações reveladas pelos diários norte-americano The New York Times e britânico The Guardian sobre a apropriação indevida com fins políticos de informação pessoal de 50 milhões de utilizadores da rede social Facebook.

O Guardian especificou que em causa está a empresa Cambridge Analytica, que trabalhou designadamente com a campanha eleitoral de Donald Trump e a da saída do Reino Unido da União Europeia, que usou a informação recolhida para construir um "poderoso programa informático para prever e influenciar as escolhas dos eleitores".

Outro senador, o democrata Richard Blumenthal, do Estado do Connecticut, também já se pronunciou, dizendo, citado pela revista Time, no seu sítio na internet: "A desordem na Facebook -- por entre uma aparente redução da equipa de segurança - torna a necessidade de uma transparência total, em testemunho público no Congresso, mais urgente do que nunca".

A presença de Zuckerberg já tinha sido requerida na segunda-feira pela senadora Klobuchar.

Ao fim do dia de sexta-feira, a Facebook anunciou que tinha banido a Cambridge Analytica e respetiva holding da sua plataforma.

Adiantou que a Cambridge obteve informação de 270 mil pessoas que descarregaram uma alegada aplicação (app) descrita como um teste de personalidade. Um antigo funcionário da Cambridge revelou que esta foi capaz de obter informação de dezenas de milhões de outros utilizadores que eram amigos dos que descarregaram a app.

A Facebook soube da brecha na segurança há mais de dois anos, mas não a revelou. A empresa também informou recentemente que tinha recebido um relatório segundo o qual a Cambridge Analytica não apagou toda a informação que tinha obtido da Facebook, algo que a Facebook adiantou que a empresa garantiu que tinha feito.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.