Senadores dos EUA querem ouvir líderes da Facebook, Google e Twitter

Zuckerberg, do Facebook, e os homólogos da Google e do Twitter poderão ser chamados para uma audição

Senadores dos EUA, dos partidos democrata e republicano, querem ouvir o presidente da Facebook, Mark Zuckerberg, "o mais depressa possível", à semelhança dos seus pares dos parlamentos europeu e britânico.

Em carta conjunta, a senadora democrata Amy Klobuchar, eleita pelo Estado do Minnesota, e o senador republicano John Kennedy, do Estado do Luisiana, solicitaram ao presidente da comissão de Justiça do Senado, o republicano Chuck Grassley, do Estado do Iowa, que convoque Zuckerberg e os homólogos da Google e Twitter para uma audição.

Este pedido decorre de informações reveladas pelos diários norte-americano The New York Times e britânico The Guardian sobre a apropriação indevida com fins políticos de informação pessoal de 50 milhões de utilizadores da rede social Facebook.

O Guardian especificou que em causa está a empresa Cambridge Analytica, que trabalhou designadamente com a campanha eleitoral de Donald Trump e a da saída do Reino Unido da União Europeia, que usou a informação recolhida para construir um "poderoso programa informático para prever e influenciar as escolhas dos eleitores".

Outro senador, o democrata Richard Blumenthal, do Estado do Connecticut, também já se pronunciou, dizendo, citado pela revista Time, no seu sítio na internet: "A desordem na Facebook -- por entre uma aparente redução da equipa de segurança - torna a necessidade de uma transparência total, em testemunho público no Congresso, mais urgente do que nunca".

A presença de Zuckerberg já tinha sido requerida na segunda-feira pela senadora Klobuchar.

Ao fim do dia de sexta-feira, a Facebook anunciou que tinha banido a Cambridge Analytica e respetiva holding da sua plataforma.

Adiantou que a Cambridge obteve informação de 270 mil pessoas que descarregaram uma alegada aplicação (app) descrita como um teste de personalidade. Um antigo funcionário da Cambridge revelou que esta foi capaz de obter informação de dezenas de milhões de outros utilizadores que eram amigos dos que descarregaram a app.

A Facebook soube da brecha na segurança há mais de dois anos, mas não a revelou. A empresa também informou recentemente que tinha recebido um relatório segundo o qual a Cambridge Analytica não apagou toda a informação que tinha obtido da Facebook, algo que a Facebook adiantou que a empresa garantiu que tinha feito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.