"Em Londres já não nos podemos sentir completamente seguros"

"Ouvi uma grande explosão e pelo que se tem passado ultimamente pensei logo que podia ser terrorismo", referiu um londrino que passava perto da estação de metro

Alex Weldon passava esta sexta-feira de bicicleta na área da estação de metro de Parsons Green em Londres quando ouviu uma "grande explosão" e pensou logo num possível ato terrorista, disse o londrino à agência Lusa.

"Ouvi uma grande explosão e pelo que se tem passado ultimamente pensei logo que podia ser terrorismo", referiu.

A polícia encara como um ato terrorista a explosão cerca das 08:00 desta sexta-feira no metropolitano, que causou 22 feridos.

"Fiquei bastante chocado e a primeira coisa que fiz foi ligar à minha mulher para dizer que estava bem", adiantou Alex Weldon, de cerca de 30 anos.

A polícia estabeleceu um cordão de segurança de 100 metros em redor da zona, onde se encontram viaturas dos bombeiros e ambulâncias. Não se pode entrar ou sair do perímetro.

Alex Weldon viu "pessoas com ferimentos, com sangue, arranhadas", diz que a polícia e os bombeiros chegaram rapidamente.

"Este é um bairro seguro, nunca me senti inseguro, mas em Londres já não nos podemos sentir completamente seguros", disse Weldon à Lusa.

Danielle Nolan foi deixar os filhos de três e sete anos à escola, que fica na zona agora dentro do perímetro de segurança, e não sabia de nada até uma amiga lhe telefonar em pânico a pedir-lhe para apanhar a filha que estava a caminho da mesma escola.

"Houve alguns momentos de preocupação com os alunos mais velhos que já vão sozinhos para a escola, alguns de metro", disse à Lusa, adiantando que a escola já informou que "ninguém esteve envolvido".

"Deram-nos garantias de que estão todos bem, estão a acalmar as crianças", disse.

Ao lado de Danielle Nolan encontrava-se Kerry, a filha da sua amiga, e uma colega que a acompanhava.

Kerry, de 10 anos, disse que no início estavam preocupados, que pensaram logo nos colegas que vêm para a escola de metro, e admitiu que na segunda-feira, no regresso às aulas, "deverá ser um pouco confuso, porque vai estar toda a gente a falar disto".

Apesar do trânsito cortado na zona, no bairro essencialmente residencial, próximo do estádio do clube de futebol Chelsea, as lojas e cafés mantêm-se abertos e as pessoas parecem continuar o dia-a-dia com relativa normalidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.