Guiné-Bissau: Dedo indicador é símbolo de democracia nas redes sociais

Na Guiné-Bissau, para evitar dupla votação, o eleitor, após exercer o direito cívico, vê banhado o dedo indicador direito num recipiente com tinta indelével que só desaparece 48 horas depois.

As redes sociais de guineenses estão "inundadas" de pessoas com um dedo indicador em riste a mostrar a marca da tinta indelével que prova o voto nas eleições legislativas, sendo que para muitos é a primeira vez que exercem esse direito cívico.

Após votar em Bissau, Elci Pereira mostra o dedo indicador e pede aos guineenses que lhe sigam o gesto, destacando que o exercício do voto "é indispensável" para decidir sobre o futuro do país.

Élia Embalo, emigrante em Portugal, exibe, orgulhosa, o dedo direito, para mostrar que cumpre o dever de cidadã, escrevendo "viva a Guiné-Bissau".

Emigrante na Alemanha, onde pela primeira vez os cidadãos guineenses votam, Juvilda Dionou diz já ter cumprido a sua missão, faltando agora "contar a história" da Guiné-Bissau, daqui para frente.

Quem vive no país, segue também esta tendência das redes sociais. Com o dedo com a tinta em riste, Flávia Semedo afirma que a sua parte já está feita e escreve vivas à Guiné-Bissau, enquanto Dermula Djaló, que vota pela primeira vez, mostra também o dedo e pergunta aos colegas o que esperam para fazer o mesmo.

O jornalista Secuna Fati mostra o dedo e salienta que cumpriu o seu dever cívico com o qual disse dar a sua "valiosa contribuição" para o desenvolvimento da "querida pátria, mãe Guiné-Bissau".

O próprio presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), José Pedro Sambú aparece nas redes sociais, com o dedo em riste, a prometer, em declarações aos jornalistas, que votou e que o processo decorre "num clima muito calmo, de transparência e sem sobressaltos".

A ativista ambiental, Luana Pereira, não esconde a satisfação com a sua primeira ida à urna, mostrando o dedo indicador direito, com um largo sorriso no rosto.

"A minha primeira votação na caminhada democrática da nossa Guiné. O entusiasmo é óbvio", refere a jovem Luana.

Ilda Gomes, que também vota pela primeira vez, mostra o dedo e o cartão de eleitor para pedir a Deus ajuda para a Guiné-Bissau.

Já Iça Culubali diz não acreditar ter tido a sua primeira oportunidade de votar "para escolha do Governo".

Daqui para frente promete "votar sempre e ajudar a mudar" a Guiné-Bissau.

Na Guiné-Bissau, para evitar dupla votação, o eleitor, após exercer o direito cívico, vê banhado o dedo indicador direito num recipiente com tinta indelével que só desaparece 48 horas depois.

Desde que a Guiné-Bissau iniciou com as eleições democráticas, em 1994, a tinta é oferecida ao país por Portugal.

Hoje, 761 mil eleitores votam em mais de três mil mesas eleitorais espalhadas pelo país e pela diáspora.

Muitos deles são jovens e votam pela primeira vez num país que tem 75% da população com menos de 25 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.