Catalunha: Empresários portugueses prontos para abandonarem a região

O presidente do Governo regional catalão, Carle Puigdemont, deverá ainda hoje declarar a independência da região

Os empresários portugueses na Catalunha estão preparados para mudar a sede social das suas empresas para outras regiões de Espanha, assim como já estão a fazer as grandes sociedades com sede em Barcelona.

"Para o negócio é mau e vou-me embora daqui logo de seguida. Já tenho tudo preparado", revelou à agência Lusa Ricardo Paulo, dono de uma empresa de importação e distribuição para toda a Espanha de vinhos e produtos 'gourmet' portugueses.

Ricardo Paulo já foi ao notário mudar a sede social e fiscal da sua empresa para fora da Catalunha e se a situação piorar está pronto também para mudar a localização do armazém e fechar a loja e o restaurante que tem em Barcelona.

"Os poucos valores que tenho já estão em Portugal e, assim como eu, os espanhóis e os catalães já meteram o dinheiro a salvo, fora da Catalunha", assegura o empresário português.

O presidente do Governo regional catalão, Carle Puigdemont, deverá ainda hoje declarar a independência da região e ainda não é claro o que pode acontecer em seguida.

A situação de grande incerteza tem levado, nos últimos dias, as grandes empresas, principalmente as cotadas na bolsa de valores, a mudar a sua sede social para outras regiões de Espanha.

As empresas mais pequenas, que também não se podem dar ao luxo de ficar numa região que deixa de pertencer à União Europeia, estão a tomar medidas idênticas.

"No caso em que se declarasse a independência, eu, apesar de ser um pequeno empresário, não teria alternativa e teria de trocar a sede social das duas empresas em que sou diretor-geral para fora da Catalunha", garante um outro empresário português no mesmo setor, Rui Fernandes, há 14 anos a viver em Barcelona.

Mesmo assim, Rui Fernandes está otimista e pensa que "há muita histeria" que é transmitida pelos órgãos de comunicação social.

Os dois empresários estão também muito preocupados com a "rutura social" que a caminhada dos separatistas em direção à independência está provocar na sociedade catalã.

"Entre amigos não se tocam determinados temas. É como um tabu. Não se fala de certas coisas para ninguém se chatear", disse Ricardo Paulo, acrescentando que "as pessoas a favor do 'não' à independência andam amedrontadas no meio da rua com medo de expressar as suas opiniões".

O Governo catalão sustentado por uma maioria parlamentar que apoia a independência da região organizou em 01 de outubro um referendo ilegal, muito polémico, em que apenas 42% dos eleitores foram votar para decidir por esmagadora maioria que desejam ser independentes de Espanha.

A consulta foi boicotada pelos movimentos e partidos que não apoiam a separação da Catalunha de Espanha, apesar de muitos deles também defenderem a realização de uma consulta popular na região, mas feita de acordo com as regras aceites por todos e não apenas de uma das partes.

"Já saí de metade dos grupos da [rede social] Whatsapp com amigos meus em Barcelona, às vezes tenho discussões com a minha mulher [que é catalã], discussões com a família sobre este tema", afirma Rui Fernandes, concluindo que a divisão na sociedade catalã "vai demorar muitas décadas a resolver, independentemente do que acontecer" a partir de agora.

Há cerca de 14.000 portugueses inscritos no consulado de Barcelona, no que é uma comunidade considerada "de nível médio, alto", com muitos licenciados e mestrados a trabalharem nos mais variados setores de atividade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.