Sete décadas de abusos sexuais e centenas de padres envolvidos na Pensilvânia

Líderes católicos são acusados de encobrir abusos ao longo de décadas, revela um relatório judicial

Uma investigação liderada pelo procurador-geral do estado norte-americano da Pensilvânia, que foi nesta terça-feira divulgada, documenta centenas de casos de abusos sexuais por sacerdotes católicos em seis dioceses do estado.

Segundo o The New York Times , bispos e outros líderes católicos são acusados de encobrir abusos ao longo de sete décadas, ao usarem do seu poder para persuadir vítimas a não denunciar os abusos e ainda para convencer polícias a não investigar.

No documento, de 1356 páginas, refere-se que a maior parte das vítimas foram rapazes, ainda que também existam raparigas, e entre eles adolescentes e muitos pré-adolescentes.

"Alguns foram seduzidos com álcool e pornografia. A alguns fizeram masturbar os seus agressores ou foram manipulados por eles", lê-se no relatório, entre outros pormenores mais sórdidos.

Para a elaboração deste relatório foram ouvidas dezenas de testemunhas e consultado meio milhão de páginas de documentos internos das dioceses.

Nesse sentido, não é de descartar que o número real de vítimas ascenda a milhares, uma vez que é possível que os registos de alguns menores se tenham perdido ou que a vítima tenha optado por permanecer em silêncio.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.