Relações com EUA não podem piorar com novo secretário de Estado

Rússia diz não estar preocupada com afastamento de Rex Tillerson e nomeação de Mike Pompeo

O Governo russo considerou hoje que as relações com os Estados Unidos "não podem piorar", pelo que indicou estar "esperançado" numa melhoria com a nomeação de um novo secretário de Estado norte-americano.

A posição de Moscovo foi avançada pelo porta-voz do Kremlin, Dmitry Perkov, que indicou que a Rússia "não está preocupada" com o afastamento de Rex Tillerson, insistindo na ideia de que as relações com os Estados Unidos "já bateram no fundo".

"Esperamos que haja uma aproximação construtiva e sóbria nas relações entre os dois países" com o substituto de Tillerson, o agora ex-diretor da CIA, Mike Pompeo.

"Esta esperança está sempre presente", acrescentou o porta-voz.

As relações entre os Estados Unidos e a Rússia deterioraram-se nos últimos anos na sequência dos conflitos na Ucrânia e na Síria e da alegada interferência russa na campanha presidencial norte-americana.

Terça-feira, inesperadamente, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, despediu Tillerson.

A nomeação de Pompeo terá agora de ser confirmada pelo Senado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".