Reino Unido forma peritos em cibersegurança em Bletchley Park

Foi nesta casa que o matemático britânico Alan Turing, considerado o pai da informática, conseguiu, graças à sua máquina 'Enigma', decifrar os códigos utilizados pelos submarinos alemães na II Guerra Mundial.

A próxima geração de peritos britânicos em cibersegurança vai ser formada em Bletchley Park, local mítico onde foram decifrados os códigos nazis durante a Segunda Guerra Mundial, anunciou hoje o diretor do novo instituto.

O primeiro Colégio Nacional de Cibersegurança no Reino Unido vai escolher "os estudantes mais talentosos e mais qualificados", avançou Alastair MacWilson, em comunicado.

A criação desta formação, batizada Qufaro, no centro da Inglaterra, pretende reunir recursos, atualmente complexos e dispersos, do ciber-ensino britânico, acrescentou.

"Para os que querem fazer uma carreira (no setor), existem atualmente possibilidades excelentes e variadas, cada uma com um papel vital, mas sem oferecer realmente um ecossistema unificado de informações", sublinhou.

"Ao ligar o que já existe e anulando as lacunas, a Qufaro vai permitir aos profissionais em início de carreira desenvolver as suas qualificações informáticas", salientou ainda.

O centro visa prioritariamente formar jovens com idades entre os 16 e 19 na cibersegurança, através de cursos de informática, matemática e física", especificou MacWilson, que informou também que o sítio de Bletchley Park, depois de beneficiar de obras de restauração que importaram em seis milhões de euros, vai abrir em 2018.

Foi nesta casa que o matemático britânico Alan Turing, considerado o pai da informática, conseguiu, graças à sua máquina 'Enigma', decifrar os códigos utilizados pelos submarinos alemães que cruzavam o Atlântico Norte, precipitando, segundo alguns historiadores, a queda de Hitler.