Reino Unido alerta turistas para risco de viagens à fronteira do Brasil com a Venezuela

Em causa estão confrontos entre brasileiros e imigrantes venezuelanos

O governo do Reino Unido divulgou nesta terça-feira um alerta aos viajantes sobre o aumento do risco de agitação política no Brasil, frisando o agravamento dos conflitos na região da fronteira entre aquele país e a Venezuela.

"Há um aumento do risco de agitação política e social durante o período da campanha [eleitoral, no Brasil], particularmente na região fronteiriça com a Venezuela, onde as tensões estão muito acima por causa da imigração", diz o alerta, emitido nesta terça-feira pelo Foreign and Commonwealth Office (FCO), com conselhos aos viajantes do Reino Unido.

O mesmo comunicado do governo britânico lembra que manifestações na cidade de Pacaraima, nos dias 17 e 18 de agosto, tornaram-se "violentas", com "multidões que atacavam habitações de imigrantes e refugiados da Venezuela".

"A fronteira terrestre do Brasil com a Venezuela pode ser fechada a curto prazo", acrescenta.

A região de fronteira onde aconteceram os conflitos entre brasileiros e imigrantes venezuelanos é procurada por montanhistas que desejam escalar o monte Roraima, uma formação rochosa em formato de mesa conhecida pela sua vegetação exótica e peculiar totalmente diferente da floresta tropical e da savana.

O alerta de risco menciona também problemas que os viajantes do Reino Unido podem ter no Rio de Janeiro, onde o índice de criminalidade tem crescido nos últimos anos, e também a possibilidade de infeção por doenças como a febre-amarela e o vírus zika, em visitas ao Brasil.

O mesmo órgão refere que 185 858 cidadãos britânicos viajaram para o Brasil em 2017.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.