Regresso emotivo dos Eagles of Death Metal ao Bataclan

Banda atuou ontem num concerto dos U2 em Paris e regressou ao Bataclan para homenagear as vítimas dos atentados de 13 de novembro

Os Eagles of Death Metal regressaram ao Bataclan para prestar homenagem às vítimas dos atentados de 13 de novembro. Os membros da banda californiana não conseguiram evitar as lágrimas ao colocarem flores no local onde morreram 90 das 130 pessoas naquela noite.

Na segunda-feira à noite, os Eagles of Death Metal subiram ao palco em Paris, a convite dos U2. No Facebook, a banda agradeceu o gesto: "Queremos mostrar o nosso profundo agradecimento por tudo o que os nossos irmãos dos U2 fizeram por nós após os ataques de 13 de novembro. Eles lembraram-nos que gente má não tira um dia de folga e, por isso, nós rock 'n' rollers também não podemos... e nunca o faremos."

Os Eagles of Death Metal tocavam no Bataclan quando homens armados com ligações ao Estado Islâmico entraram e mataram 90 pessoas, entre elas o responsável pelo merchandising da banda. Os U2 também estavam em Paris para dar dois concertos nos dias seguintes aos atentados, concertos esses que foram adiados e realizaram-se domingo e segunda-feira.

O Bataclan deverá demorar quase um ano a voltar a receber espetáculos, mas os Eagles of Death Metal já avisaram que querem ser os primeiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.