Regresso emotivo dos Eagles of Death Metal ao Bataclan

Banda atuou ontem num concerto dos U2 em Paris e regressou ao Bataclan para homenagear as vítimas dos atentados de 13 de novembro

Os Eagles of Death Metal regressaram ao Bataclan para prestar homenagem às vítimas dos atentados de 13 de novembro. Os membros da banda californiana não conseguiram evitar as lágrimas ao colocarem flores no local onde morreram 90 das 130 pessoas naquela noite.

Na segunda-feira à noite, os Eagles of Death Metal subiram ao palco em Paris, a convite dos U2. No Facebook, a banda agradeceu o gesto: "Queremos mostrar o nosso profundo agradecimento por tudo o que os nossos irmãos dos U2 fizeram por nós após os ataques de 13 de novembro. Eles lembraram-nos que gente má não tira um dia de folga e, por isso, nós rock 'n' rollers também não podemos... e nunca o faremos."

Os Eagles of Death Metal tocavam no Bataclan quando homens armados com ligações ao Estado Islâmico entraram e mataram 90 pessoas, entre elas o responsável pelo merchandising da banda. Os U2 também estavam em Paris para dar dois concertos nos dias seguintes aos atentados, concertos esses que foram adiados e realizaram-se domingo e segunda-feira.

O Bataclan deverá demorar quase um ano a voltar a receber espetáculos, mas os Eagles of Death Metal já avisaram que querem ser os primeiros.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.