Recusada clemência ao "contabilista de Auschwitz"

A Justiça alemã recusou um pedido de clemência apresentado pelos advogados de Oskar Groening, de 96 anos, conhecido como o "contabilista de Auschwitz", que foi condenado a quatro anos de prisão em 2015.

O pedido de clemência foi apresentado depois do Tribunal Constitucional alemão ter declarado, em dezembro, que Oskar Groening tinha de cumprir na prisão a pena de quatro anos a que fora condenado em 2015, por cumplicidade na morte de 300 mil pessoas no campo de concentração de Auschwitz no período da II Guerra Mundial.

Ainda que Groening, conhecido como o "contabilista de Auschwitz", não tenha matado ninguém, foi considerado cúmplice pelo facto de ter ajudado o regime nazi. Foi, designadamente, acusado de ter recolhido o dinheiro na posse dos judeus enviados para Auschwitz, enviando-o a seguir para Berlim, financiando assim o esforço de guerra do regime nazi. Groening tinha 21 anos quando chegou ao campo.

Groening, de 96 anos, admitiu em tribunal ser moralmente culpado por estas ações.

Suboficial das SS, testemunhou várias execuções em massa, como o próprio admitiu. A partir dos anos 80 assumiu uma posição ativa na denúncia do Holocausto, afirmando que vira com os seus próprios olhos tudo o que se passava em Auschwitz, "as câmaras de gás, os crematórios, o processo de escolha [das vítimas]".

O pedido de clemência era o derradeiro instrumento jurídico para Groening evitar cumprir a pena de prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...