Recebeu cabaz de Natal de 360 mil euros e ficou quase falido

Percentagem pedida pelas Finanças espanholas quase arruinou o vencedor de um grande prémio

Víctor Brun é um homem com muita sorte, mas ainda com mais azar. Vencedor de um "cabaz de Natal" através de um sorteio, Víctor recebeu dois carros, uma mota, viagens e mais produtos, muitos alimentares, num prémio cujo valor total era de cerca de 360 mil euros.

No entanto o que à partida parecia uma autêntica bênção rapidamente se tornou quase numa tragédia. É que as Finanças espanholas reclamaram um valor correspondente a quase metade do prémio, mais concretamente 46%, a pagar em duas vezes, de acordo com o Víctor, que ligou para um programa de televisão: "El Programa de Ana Rosa" da Telecinco.

A dívida, só em juros, já vai em 160 mil euros, a que se soma uma quantia semelhante relativa aos já referidos 46%. Ou seja, vencer o prémio quase que arruinou a vida de Víctor Brun.

Ao mesmo programa disse que tentou devolver o prémio, mas que as autoridades lhe disseram que já era dele e que tinha pagar tudo com o seu dinheiro. Víctor Brun, explica o ABC, devolveu o dinheiro e, ao mesmo tempo, foi obrigado a oferecer vários produtos a amigos e familiares por causa dos prazos de validade.

Tentou vender os carros que recebeu, mas a tentativa saiu-lhe frustrada, uma vez que os stands tinham direito a 20% do valor dos carros por estes já estarem matriculados.

Afirmou ainda que não vai participar em mais sorteios e que não pode pedir créditos aos bancos porque está como devedor nas finanças.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.