Michael Moore prepara documentário sobre Donald Trump

O realizador trabalhou secretamente no filme durante meses e já prometeu que será explosivo.

O realizador norte-americano Michael Moore está a preparar um documentário sobre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e acredita que o filme terá um grande impacto.

Os produtores Harvey e Bob Weinstein anunciaram na terça-feira que asseguraram os direitos mundiais sobre o filme, a que Moore chamou "Fahrenheit 11/9". O nome é uma referência ao dia depois de 08 de novembro, quando Trump foi declarado Presidente, jogando também com o nome do documentário que realizou em 2004 sobre o então Presidente George W. Bush e os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, "Fahrenheit 9/11".

Moore, que trabalhou secretamente no filme durante meses, prometeu que será explosivo.

"Não interessa o que lhe atiramos, não funciona. Independentemente do que é revelado, ele continua de pé. Factos, realidade, cérebro não o conseguem derrotar. Até quando ele inflige feridas em si próprio, levanta-se no dia seguinte e continua a 'twitar'. Tudo isso acaba com este filme", afirmou.

Em comunicado, Harvey Weinstein disse que o filme será levado a uma "vasta audiência", indicando que será oferecido aos distribuidores no mercado do cinema de Cannes, que se celebra em paralelo com o festival, hoje inaugurado.

Weinstein garantiu que o filme "terá os planos de distribuição mais inovadores" porque "hoje, mais que nunca, a fome por verdade de Michael é crucial". "Estamos entusiasmados por fazer parte desta revolução", afirmou.

Este será o segundo filme do realizador sobre Trump, depois de "Michael Moore in Trumpland", divulgado pouco antes da eleição do ano passado, que Moore previu que Trump venceria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.