Michael Moore prepara documentário sobre Donald Trump

O realizador trabalhou secretamente no filme durante meses e já prometeu que será explosivo.

O realizador norte-americano Michael Moore está a preparar um documentário sobre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e acredita que o filme terá um grande impacto.

Os produtores Harvey e Bob Weinstein anunciaram na terça-feira que asseguraram os direitos mundiais sobre o filme, a que Moore chamou "Fahrenheit 11/9". O nome é uma referência ao dia depois de 08 de novembro, quando Trump foi declarado Presidente, jogando também com o nome do documentário que realizou em 2004 sobre o então Presidente George W. Bush e os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, "Fahrenheit 9/11".

Moore, que trabalhou secretamente no filme durante meses, prometeu que será explosivo.

"Não interessa o que lhe atiramos, não funciona. Independentemente do que é revelado, ele continua de pé. Factos, realidade, cérebro não o conseguem derrotar. Até quando ele inflige feridas em si próprio, levanta-se no dia seguinte e continua a 'twitar'. Tudo isso acaba com este filme", afirmou.

Em comunicado, Harvey Weinstein disse que o filme será levado a uma "vasta audiência", indicando que será oferecido aos distribuidores no mercado do cinema de Cannes, que se celebra em paralelo com o festival, hoje inaugurado.

Weinstein garantiu que o filme "terá os planos de distribuição mais inovadores" porque "hoje, mais que nunca, a fome por verdade de Michael é crucial". "Estamos entusiasmados por fazer parte desta revolução", afirmou.

Este será o segundo filme do realizador sobre Trump, depois de "Michael Moore in Trumpland", divulgado pouco antes da eleição do ano passado, que Moore previu que Trump venceria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.